Existem centenas de fabricantes de caixa de emenda para redes ópticas e muitos modelos no mercado. Mesmo assim, a DPR, distribuidora de equipamentos para rede e integradora com sede em São Paulo, decidiu atacar este segmento de mercado. Durante a Abrint 2017 lançou uma caixa de emenda óptica, que é mais difícil de ser roubada, pois contém uma faixa colorida que é injetada juntamente com o material plástico da caixa.

O desenvolvimento do produto, que chegou ao mercado por cerca de R$ 150, foi uma resposta à demanda dos clientes. “Eles queriam uma caixa que identificasse a empresa, mas com uma identificação que não pudesse ser apagada”, conta Luiz Carlos Vicente, presidente da distribuidora. O projeto da caixa foi desenvolvido internamente e a injeção plástica é terceirizada.

O roubo de caixas de emenda óptica – usada quando se precisa unir os cabos ópticos em uma derivação da rede — é muito mais comum do que se imagina. Um dos casos mais recentes, que teve repercussão, foi o roubo de caixas de emenda óptica da Oi, instaladas na Baixada Fluminense e encontradas, mais tarde, em um provedor de uma cidade do interior do estado. “Os ladrões roubam as caixas, apagam a marca da empresa e revendem”, conta Vicente. Com a faixa colorida injetada, não é possível arrancá-la, segundo a DPR.

O objeto mais visado pelos ladrões de infraestrutura de telecomunicações sempre foi o cobre, em função de seu valor de mercado. Mas também são cobiçados baterias de armários e equipamentos de transmissão. E, mais recentemente, as caixas de emenda.

Há tempos as grandes operadoras tentam encontrar formas para combater o roubo das caixas de emendas. O caminho é personalizar as caixas, com cores exclusivas ou uma caracterização específica da empresa, injetada pelo fabricante. Agora, a DPR traz uma solução, que adota o mesmo conceito, para provedores regionais.

E tudo indica que vai ter sucesso. Só durante os três dias da Abrint 2017, a integradora recebeu encomenda de 5 mil unidades.