Os sócios Leandro Siqueira, Marcos Racke; e Roberto Pinto, o primeiro cliente.

Uma empresa cuidadosamente planejada e determinada a se diferenciar da concorrência no quesito qualidade, a NGT – New Group Telecom ficou, durante um ano, realizando estudos de mercado e elaborando o seu projeto do negócio. “Nós queríamos fazer algo diferente, que fosse reconhecido pela excelência”, conta um dos sócios, Leandro Siqueira, paulista que se associou ao carioca Marcos Racke, em 2014, para montar uma operação de serviço de internet no município de Teresópolis (RJ).

A primeira tomada de decisão dos dois empresários foi que a rede seria 100% em fibra óptica, do core até dentro da casa do cliente. Escolheram a tecnologia GPON. Em busca por fornecedores – “fomos procurar as empresas de quem as grandes teles compram porque queríamos o melhor, diz Siqueira – eles optaram por uma rede passiva da Furukawa e, para a rede ativa, a escolhida foi a Huawei.

Corrigindo: foi a Huawei que os escolheu, de acordo com Siqueira. “Eles nos adotaram! Quando mostramos nosso projeto, eles nos acolheram totalmente, pois queriam implantar uma rede nova com seus equipamentos GPON e não estavam encontrando, só havia redes antigas, mistas, com cabos. E nós fomos o piloto deles no Brasil”, diz o empresário, lembrando que, na época, receberam diversas ligações e contatos de outros provedores que queriam informações sobre o produto da chinesa e eles puderam dar os primeiros feedbacks.

Tudo começou com um anel de 10 quilômetros em um condomínio de luxo. Os moradores não apenas aprovaram o serviço, como passaram a contratar para suas empresas. Assim, hoje a NGT cobre 95% da cidade, com 4 POPs, atendendo a clientes residenciais e corporativos. Tem licenças SCM, STFC e SeAC, oferecendo conexões banda larga a velocidades simétricas de 50 Mbps, 100 Mbps e 150 Mbps, além de serviço de voz fixo. Em janeiro de 2018, começará a comercializar TV IP.

Expansão

As novidades para o próximo ano incluem ainda expansão de atuação. Está sendo montada a rede de fibra óptica que chegará a Petrópolis (RJ), em fevereiro. Juiz de Fora (MG) e Goiânia (GO) são mais duas cidades que estão na lista de dez onde a empresa pretende atuar, dentro dos próximos cinco anos. Todos os investimentos, até agora, foram feitos com recursos próprios. “Mas estamos abertos a captar investidores, o que nos possibilitaria reduzir os prazos de nossas metas”, afirma Siqueira.

Animados com o crescimento, os sócios resolveram dar um up no negócio. Mudaram para uma sede própria, de 700 m2, e criaram uma nova identidade visual, da qual faz parte o mascote Fibra. O que não vai mudar nem um milímetro é a determinação de se posicionar para os clientes como uma empresa de altíssima qualidade. Siqueira reforça a filosofia que, segundo ele, é de todos os 40 funcionários: “Nós já somos e queremos nos manter como o melhor. Na NGT, não temos problemas, nem reclamações de clientes. Pode chover pedra, cair raio, que não há ocorrências. Não temos nem call center… porque não precisa”, brinca.