Barreirinhas, coração dos Lençóis Maranhenses, está recebendo a sua primeira rede de fibra óptica com capacidade para oferecer velocidades maiores para seus moradores. A iniciativa é da operadora Pix, que também terá sua primeira experiência com a tecnologia já que atende outras três cidades, inclusive a sede em Tutóia, com sistemas de rádio. A previsão para este ano é conquistar 500 assinantes com a nova infraestrutura. Até 2022, com a fibra em todas as localidades, o provedor quer fechar o ano com uma base de 10 mil clientes e com avanços no segmento de IoT (Internet das Coisas).

Com cerca de 70 mil habitantes e grande trânsito de pessoas por ser um polo turístico, Barreirinhas pode ter potencial para mais de 500 assinantes de internet banda larga via fibra este ano. Para o sócio da Pix, Alan Costa, a estimativa é conservadora, já que antes mesmo da operação comercial havia cem interessados. “Nós preferimos ser realistas, mesmo que em excesso”, afirmou.

Costa acredita que em primeiro lugar seja necessário “quebrar o paradigma” da velocidade no acesso à Internet na cidade.”Vamos chegar com planos de 10, 20 e 30 Mbps, oferta inédita na cidade”, ressaltou. Até agora, disse, a média de velocidade tem sido de 1 Mbps.

Parceria

Para levar a fibra para Barreirinhas, a Pix buscou um parceiro que ficasse responsável pela infraestrutura. A escolhida foi a Comatel que negociou os equipamentos e a rede. Os fornecedores escolhidos foram a Fiber Home e Intelbras. “Mas estamos contatando outras empresas para tentar baratear a implantação da fibra”, observou Costa.

Um outro obstáculo que precisou ser vencido foi a contratação de um link dedicado para a conexão da rede. “A oferta da Oi com links de 2 Giga não nos convenceu”, afirmou. A solução veio do Ceará, de um acordo fechado com dois provedores, Online e Wirelink, que estenderam suas redes para oferecer o link em Barreirinhas.

A parceria fechada com a Comatel está restrita ao negócio de fibra óptica em Barreirinhas. Mas, para o sócio da Pix, é possível que evolua para a criação de uma nova empresa no estilo joint-venture.

O próximo passo da fibra será chegar à sede da Pix, em Tutóia. Lá, como nas outras três cidades onde atua — Paulino Neves, Água Doce e Santana do Maranhão –, o acesso na localidade ainda é via radio.

No futuro, céu é o limite

Costa considera que a operação com a fibra coloca a Pix no patamar Internet 2.0. Em seguida, a Internet 3.0 chegará com a oferta de conteúdo para clientes, como IPTV e Video on Demand. E, finalmente, a 4.0 será conquistada a partir do momento que uma rede de Internet das Coisas (IoT) estiver implantada. Ainda não há data marcada para essas próximas investidas, mas devem se aproximar quando atingir a meta de 10 mil assinantes em 2022.

A história da Pix começou em 2012 com a insatisfação de três moradores de Tutoia com o cenário de fornecimentos de internet na cidade e região. Apenas o núcleo da cidade estava conectado – e com constantes reclamações da operadora que os atendia — e as demais comunidades à sua volta não tinham acesso. “Era muito gente desconectada”, observou. Hoje, além das cinco cidades, o provedor atende 62 comunidades na região.