A JotaF.Telecom, com sede na cidade paulista de Itapira, começou a enterrar sua rede de fibra óptica para evitar cortes ilegais dos cabos, que já prejudicaram mais de 600 clientes só no mês de janeiro, afirma.

A suspeita é de que os cortes estão sendo feitos por uma empresa terceirizada, contratada por grandes operadoras de telecomunicações, afirma o presidente da JotaF, José Roberto Junqueira.

Junqueira disse que tem imagens dos cortes dos cabos feitos pelos funcionários da empresa terceirizada, captadas por câmeras de vigilância. A rede da Jota F Telecom está nos postes da CPFL, que recebe uma remuneração pela fixação desses cabos. Porém, para evitar prejuízos aos seus assinantes, o provedor regional está optando por usar micro valas para enterrar as fibras.

A concorrência não assusta a JotaF, assegura o executivo. Neste mês a empresa estará lançando planos com velocidades de 300 Mbps, 400 Mbps e 500 Mbps, a preços muito competitivos. “Um plano de 100 Mbps, atualmente, custa menos de R$ 90”, disse.

O provedor atende, além de Itabira, as cidades de Mogi Guaçu e Mogi Mirim. Na primeira, a JotaF não está sozinha e não tem medo de competir com as teles já instaladas lá. “Estamos conquistando clientes das teles, que estão com a rede velha”, disse Junqueira. Ao todo, a empresa tem perto de nove mil assinantes.