Foi sancionada ontem uma lei de autoria do Poder Executivo que oficializa a criação do Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI).  Ela estabelece que o objetivo é fortalecer e ampliar a base técnico-científica do município, que é constituída por entidades de ensino, pesquisa e prestação de serviços técnicos especializados e por unidades de produção de bens e serviços de elevado conteúdo tecnológico.
Para o prefeito Ulisses Maia, a criação deste Conselho, aliada à viabilização do parque de TI, poderá resultar no surgimento de uma espécie de ′Vale do Silício′ regional”. Recentemente ele assinou um decreto destinando uma área urbana de aproximadamente 120 mil metros quadrados para implantação do Parque de Tecnologia da Informação e Comunicação no município.
Para o diretor de Inovação Tecnológica da Secretaria Municipal de Inovação e Desenvolvimento Econômico, Franz Wagner Dal Belo, a finalidade maior do Conselho será a de colaborar com os demais órgãos de governança na promoção do desenvolvimento econômico e social do município. “O conselho fará parte do âmbito da Lei Municipal de Inovação, que foi aprovada no ano passado. Sua atuação será semelhante à do Codem, entretanto, focada na sugestão de diretrizes e aplicação de recursos que contemplem o desenvolvimento de práticas que proporcionem avanços nas áreas de inovação e tecnologia”, disse.

Na cidade já existem iniciativas, como a Software by Maringá, que reúne empresas do setor para melhorar a estrutura por meio de processos gerenciais e de desenvolvimento de produtos com qualidade. “O objetivo é tornar Maringá conhecida pela excelência em software e qualidade de vida”, comentou a presidente da entidade, Rafaela Campos.