Depois de resultados surpreendentes em 2019, a chinesa Raisecom prevê um 2020 ainda mais promissor de venda de equipamentos de redes ópticas com inteligência de tráfego e gerenciamento de serviços. “Nossa meta nos próximos dois anos é alcançar ao menos 20% do mercado de ISPs”, afirma o diretor da companhia no Brasil, Márcio Cachapuz. Segundo ele, a fabricante já é responsável por 5% desse segmento.

Cachapuz disse que, em 2019, o crescimento da empresa superou os 100%, sendo que 80% desse avanço foi suportado pelos provedores regionais, que superaram as teles no quesito de faturamento da empresa. Para alcançar as novas metas, a Raisecom montou uma estratégia agressiva, com reforço na área de vendas, qualificação de distribuidores, concentração da marca via redes sociais e marketing digital e, principalmente, um foco no suporte da linha de produtos. “A nossa intenção é de resolver os problemas técnicos que por acaso se apresentem no momento da migração da rede do provedor para a tecnologia DWDM.

Segundo Cachapuz, mesmo os ISPs instalados em áreas menos populosas estão migrando suas redes para a tecnologia GPon, que garante mais robustez. E a Raisecom que é uma das principais fornecedoras desse tipo de redes para o mercado brasileiro de ISPs, por meio da distribuidora associada OIW Telecom Solutions, com custos compatíveis com a capacidade financeira dos provedores.

No entendimento do diretor da Raisecom, os ISPs ganham com a migração da tecnologia de rede, porque podem oferecer melhor estabilidade, maior velocidade e mais confiabilidade ao seu cliente. “E são esses atributos que conquistaram os clientes no interior do país, que não são capturados por ações maciças das grandes teles, quando entram nos mercados ondem os ISPs dominam”, afirma.

Para Cachapuz, os provedores regionais ainda têm muito espaço para crescer no Brasil e ele quer que a Raisecom faça parte desse crescimento.

Lançamentos

Na Futurecom 2019, a Raisecom apresenta a sua nova linha de soluções de rede. Os produtos apresentam capacidade de tráfego e gerenciamento compatíveis com os empregados em operadoras Tier1, mas têm como mercado alvo os provedores regionais. Nos últimos quatro anos, estes provedores passaram a disputar fortemente o mercado de serviços avançados para residências e empresas através de fibras.

DWDM 100G – Para possibilitar a estes ISPs avançar suas ofertas de serviços premium de Internet, a Raisecom lança na Futurecom o equipamento DWDM de 100 Gb, modelo iTN8600-I-XT4D. A solução possibilita ao provedor otimizar ao máximo suas estruturas ópticas e facilitar a conversão de tráfego analógico para digital sem maior expansão de investimentos.

O equipamento funciona como Transponder/Muxponder híbrido de alta densidade de portas e com baixa ocupação de espaço (apenas 1U de altura). Na extremidade da linha, ele oferece interface CFP2 (nas opções 1 × 200G ou 2 × 100G). Já na extremidade do cliente, o produto disponibiliza portas SFP ou QSFP28 com as mesmas opções de escala.

ONU AC Dualband WS2– A lista de lançamentos da Raisecom se completa com as novas ONUs (Unidade de Redes Ópticas) da linha ISCOM WS2, modelo HT803G. O equipamento possui quatro portas Gigabit Ethernet, suporta Wi-Fi nas frequências 2.4ghz/5ghz e possui duas portas FXS (POTS). Seu emprego ajuda a enriquecer a oferta do ISP com serviços de comunicação e entretenimento e negócios com maior valor agregado em termos de dados, voz e vídeo. A unidade foi desenvolvida especialmente para planos de internet superiores a 500Mbp/s.