Por Argemiro Sousa

Os sistemas ópticos baseados na tecnologia Dense Wavelength Division Multiplexing (DWDM) hoje se apresentam como a melhor solução para atender às principais demandas das redes de comunicação: altíssima capacidade de transmissão, disponibilidade e flexibilidade para expansão de forma rápida. As vantagens dessa tecnologia consagrada – que permite a transmissão de vários feixes de luz, em comprimentos de onda diferentes, pela mesma fibra óptica – já beneficiam as principais operadoras de telecomunicações do mundo, que utilizam sistemas DWDM em suas redes de transporte.

Atualmente, graças ao custo mais acessível dessa tecnologia, as vantagens do DWDM estão ao alcance também de operadoras de redes regionais e provedores de serviços de internet (ISPs) que precisam atender seus clientes nas demandas – sempre crescentes – por banda e novos serviços. Em geral, esses provedores contratam links de operadoras de telecomunicações que têm infraestrutura óptica implantada na cidade onde atuam. No entanto, na medida em que o provedor cresce e expande para outras cidades, essa alternativa deixa de ser interessante. Nesses casos, vale a pena considerar a possibilidade de investir na construção de uma rede própria de fibra óptica, interligando as várias cidades de sua área de atuação.

Com a tecnologia DWDM, os provedores de serviços podem começar a montar suas redes utilizando soluções compactas com canais de 10 Gbps e ir expandindo gradativamente sua capacidade – chegando a canais de 100 Gbps -, conforme aumenta a demanda e sua atuação no mercado. No Cinturão Digital do Ceará, por exemplo, o consórcio formado por três grandes provedores de internet da região construiu uma rede DWDM de alta capacidade, dimensionada para receber até 40 canais e preparada para transponders de 100 Gbps – alguns dos quais já em operação -, que interliga várias cidades do estado.

Além da autonomia, a construção de uma rede própria de alta capacidade e escalabilidade – para crescer ainda mais – abre novas oportunidades de receitas para o provedor, que pode fornecer links dedicados para clientes em expansão ou até mesmo para operadoras de telecomunicações. Existem casos no Brasil de operadoras que contratam links de provedores de serviços para atender necessidades de clientes em regiões em que sua  infraestrutura não chega. Outra possibilidade são os acordos de parceria entre provedores envolvendo a troca de enlaces de redes DWDM, com o objetivo de atender clientes em cidades onde não dispõem de infraestrutura própria.

Todos esses ganhos, somados à economia propiciada pela eliminação do pagamento de um valor mensal correspondente à contratação do link, permitem ao provedor obter um rápido retorno do investimento realizado na construção de sua rede DWDM. Esse investimento pode ser facilitado com a utilização de linhas de financiamento – como Finame e BNDES – disponíveis para equipamentos fabricados no Brasil. Além disso, para as empresas que não têm histórico de engenharia alinhado às características dessa tecnologia, existem os serviços de pós-venda (instalação, operação e manutenção e caracterização das redes DWDM), que podem ser estratégicos na implantação e oferta de comunicações ópticas baseadas em DWDM.

A soma dessas facilidades e oportunidades de geração de novas receitas permite alcançar o retorno do investimento em uma rede DWDM no prazo de um a dois anos. Portanto, uma opção vantajosa para os provedores de serviços de internet.


Argemiro Sousa é diretor de Negócios da Padtec, fornecedora de soluções ópticas DWDM.