A RNP, vinculada ao MCTIC e responsável pela implantação e operação da rede acadêmica do país, lança esta semana a primeira de uma série de RFIs (Request for Information) para a construção de nove redes metropolitanas no interior do país, em cidades que, em sua maioria, são sede de universidades federais. As primeiras contempladas São Londrina e Ponta Grossa, no Paraná. O que existe de novo nessas RFPs é que a RNP pretende construir essas redes em parceira com a iniciativa privada – ou seja, trata-se de editais para buscar interessados no investimento conjunto.

De acordo com Eduardo Grizendi, diretor de Engenharia e Operações da RNP, o objetivo é encontrar empresas interessadas em participar do investimento conjunto e receber, em contrapartida, pares de fibra para explorar o negócio. No alvo estão operadoras e provedores regionais de acesso à internet que já atuem na região.

No caso de Londrina, a rede deve ter extensão entre 30 e 40 quilômetros, com custo entre R$ 900 mil e R$ 1 milhão. Já a rede de Ponta Grossa terá cerca de 20 quilômetros, demandando um investimento de cerca de R$ 600 mil, pelas projeções da RNP.

A construção dessas redes metropolitanas faz parte do projeto Veredas Novas, que se propôs a conectar as sedes dos campi em 1 Gbps e as demais unidades em 100 Mbps. Além das duas cidades do Paraná, serão construídas redes interligar instituições públicas em Senhor do Bonfim (BA), Codó (MA), Imperatriz (MA), Pinheiro (MA), Dourados (MS), Caicó (RN) e Mossoró (RN).