Disruptores digitais: conheça esses profissionais que estão mudando os negócios


Por Roberta Prescott,
do portal Abranet

O segredo para a jornada da transformação digital é analógico: são as pessoas as principais responsáveis pelo sucesso da estratégia da empresa em tornar-se digital, pontuou o vice-presidente de pesquisa do Gartner, Cassio Dreyfuss, em coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira, 24/10, no Gartner Symposium/ITxpo, na capital paulista.

O executivo foi taxativo: sem funcionários engajados, o projeto corre sério risco e pode fracassar. A transformação digital, acrescentou ele, não é — ou deve ser — de tecnologia e nem da área de TI, mas se trata de uma mudança que começa com a transformação das pessoas. Sem isto, as companhias não conseguirão atingir o objetivo. Dreyfuss reconheceu que nas organizações as funções já não são mais “fechadas” com pessoas especializadas.

PUBLICIDADE  

“Hoje temos crescimento forte, cerca de 60%, de busca de habilidade e conhecimento da área de tecnologia fora da TI e para diversas funções, tendo participação de pessoas que não são de TI, mas sabendo de tecnologia, em outras áreas”, explicou. Dentro deste contexto, é fundamental para o CIO criar uma cultura de destreza digital, ou seja, enfatizar que não se trata de dominar o conhecimento de determinada linguagem ou software, mas, sim, tirar partido da tecnologia para executar as atividades.

O orquestrador

A destreza digital é um novo design organizacional e nova mistura de talentos para um novo ambiente de trabalho, um local de trabalho digital de alto desempenho. As organizações devem mudar internamente para mudar externamente, diz o Gartner. Dreyfuss explica que, para escalar, precisa-se de pessoas com destreza digital, que sejam colaborativas, ágeis, analíticas, inovadoras e criativas. E que tenham capacidade e o desejo de explorar tecnologias existentes e emergentes para melhores resultados de negócios.

“É necessário criar a cultura digital em toda a organização, sem isto não se faz transformação digital. Tem de fazer com que as pessoas se sintam confortáveis em usar a tecnologia nas suas atividades”, disse, completando que, neste cenário, o papel do líder de TI é de orquestrador. O Gartner alerta que os disruptores digitais estão surgindo em todas as indústrias e é necessário que os CIOs abracem a transformação digital. A receita para o setor digital atinge 20% do total da receita, deixando claro que a transformação não pode ser interrompida.

De acordo com a consultoria, 77% das prioridades de negócio são dependentes de tecnologia. A orientação é que os líderes de TI sejam proativos, tomando a liderança no processo de transformação digital em vez de reativos, esperando chegar as demandas das áreas de negócios. O tipo de liderança oferecida pelo CIO pode variar, explica Mike Harris, vice-presidente sênior de pesquisas do Gartner, nomeando três papéis situacionais que incluem um CIO parceiro, um CIO construtor digital ou um CIO pioneiro digital.

O CIO parceiro de TI deve operar de forma mais transacional, com foco em gerenciamento de serviços, área de TI, valoração para o investimento, além de se preparar para o digital. O construtor digital está projetando e habilitando novos produtos e serviços e trabalhando com outros profissionais em toda a empresa. Já o pioneiro digital atua como empreendedor, alavancando tecnologias para construir novas capacidades, novos modelos de negócios e novos fluxos de receita para alcançar valor e escala digital.

Entre as recomendações, a instituição aponta para a necessidade de entender as melhores práticas de mercado e desenvolver indicadores de desempenho digitais (KPIs, na sigla em inglês) em toda a empresa. Para Harris, KPIs digitais se tornarão a bússola empresarial, incorporada aos objetivos de desempenho de cada líder da organização.

Previous Ideia útil para os ISPs
Next Anatel tem 90 dias para propor alternativas ao atual plano de universalização (PGMU)

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *