A WDC Networks inclui em seu portfólio soluções para edifícios inteligentes conhecidos como Building Management Systems (BMS), da Distech Controls, subsidiária da Acuity Brands Lighting, Inc . Pelo acordo, validado em 2019, a empresa brasileira prioriza a distribuição da série de controladores da família Eclypse, que têm como diferencial a operação, a interface e a visualização web-based, proporcionando controle avançado, monitoramento e análise dos seus sistemas de gestão de edifícios com base no conceito de IoT.

De acordo com Rafaela Silva, diretora de soluções da WDC Networks, os produtos da Distech se encaixam perfeitamente na estratégia da companhia, pois oferecem aos clientes da WDC a possibilidade de ampliar os seus negócios nos mercados de eficiência energética e BMS, segmentos que mais crescem no mundo. De acordo com o levantamento publicado em junho de 2017, o mercado de sistemas de gestão predial foi avaliado em USD 6,65 bilhões em 2016 e deverá atingir USD 19,25 bilhões até 2023. “A empresa chega ao Brasil oferecendo produtos de ponta para edifícios inteligentes. O seu trabalho com automação é um complemento perfeito para continuar nosso plano de crescimento neste mercado”, declara o diretor.

Além da família Eclypse, a WDC também distribuirá sensores de detecção, de ocupação e de conforto, que possibilitam ao consumidor otimizar o consumo de energia do seu edifício em tempo real. A Distech também trouxe para o Brasil o aplicativo my PERSONIFY, que permite gerir os seus níveis de conforto diretamente através de uma interface intuitiva, por meio de seu smartphone. O usuário pode definir as suas preferências pessoais de conforto do espaço, como iluminação, temperatura e ventilação. Para Alberto Muñiz, gerente regional de vendas Latam da Distech Controls, o acordo firmado com a WDC Networks está alinhado à estratégia da empresa para a expansão e consolidação da sua presença de mercado na América Latina e, principalmente, no Brasil. “Escolhemos a WDC por ser a maior empresa no Brasil e por atuar em segmentos que temos interesse em entrar. Nós acreditamos no potencial do mercado brasileiro”, afirma Muñiz.(Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE