“Brasil passa a ser prioridade para Angola Cables”, diz Nunes


A partir do primeiro semestre de 2018, para quando estão programadas tanto a entrada em operação do cabo SACS, que liga Angola ao Brasil, como do seu data center em Fortaleza, no Ceará, a Angola Cables passa a incluir o Brasíl em sua lista de prioridades, ao lado do continente africano. Afinal, nos dois últimos anos concentrou aqui parte relevante de seu investimento.

Em cinco anos, a empresa, que nasceu local para apoiar as operadoras angolanas, se transformou numa pequena multinacional de cabos submarinos. Investiu US$ 300 milhões em parcerias com grandes players, como o cabo Monet que liga os Estados Unidos ao Brasil passando por Fortaleza, Rio de Janeiro e terminando em Santos; com o cabo SACs vai reforçar a conexão Brasil-África e, aproveitando a passagem de todos os principais cabos submarinos que se conectam ao Brasil por Fortaleza, decidiu montar lá um data center de nível 1. Investimento que pode mudar o ecossistema de tecnologia de informação de Fortaleza e da região.

António Nunes, CEO da empresa, relata que fez essas apostas no Brasil em função do potencial do mercado brasileiro, da posição geográfica do país em relação ao continente africano e das raízes históricas e culturais que ligam o Brasil aos países africanos de língua portuguesa, em primeiro lugar, e aos demais países, num segundo momento.

PUBLICIDADE  

Leia a notícia na íntegra aqui

Previous Cidades que vão ter banda larga com recursos do TAC da Telefônica
Next Abrint questiona lista de cidades do TAC da Telefônica