Juiz de Fora lidera ranking de serviços de cidades inteligentes


Juiz de Fora é a líder entre as 100 maiores cidades do país na oferta de serviços de cidades inteligentes.
Ela conta com 16 dos 26 serviços pesquisados pela Teleco para fazer o ranking desse segmento. Em sua
primeira edição, o levantamento mostrou que mesmo a última colocada, Campina Grande, na Paraíba, tem
três serviços disponíveis. Ao mesmo tempo, Uberlândia liderou pela terceira vez o Ranking Cidades
Amigas da Internet, também realizado pela consultoria.

Segundo Eduardo Tude, diretor do Teleco, os dois ranking auxiliam as cidades a identificarem os pontos
que merecem aprimoramento para que se tornem mais inteligentes. A pontuação foi dada não apenas em
função dos serviços mas de sua abrangência. Já os utilizados pelos usuários têm a mesma pontuação.

A mobilidade pública e o e-gov lideraram as aplicações mais utilizadas. Dos 100 municípios, 53 possuem
serviços de informações sobre transporte público, 35 sobre zona azul e 14 sobre bilhete eletrônico. Já em
e-gov, a emissão de boletos de pagamento ou outros meios de pagamento está presente em 96 cidades, de
licenças, certidões e outros documentos em 91 e consulta de processos administrativos em 81.

PUBLICIDADE  

Em Juiz de Fora, a primeira colocada, foram registrados 719 mil acessos ao app de horário de transporte
público, 218 mil usuários mensais utilizaram a emissão de boletos, contam com 180 mil prontuários
médicos e ainda 10,9 usuários do serviço de Coleta de Lixo. O município tem 546 mil habitantes

Infraestrutura mais acessível

Em sua terceira edição, Uberlândia manteve sua liderança no Ranking de Cidades Amigas da Internet.
Tude explicou que o levantamento tem sido bem aceito pelos governos das cidades analisadas, mesmo
para os que detém uma posição ruim. “Percebemos que há muito interesse em aprimorar o desempenho
para estimular a oferta de serviços de telecom com a elaboração de políticas públicas para facilitar a
instalação da infraestrutura necessária”, observou.

Um dos exemplos disso, relatou, foi a conquista de 20 posições da cidade de Ponta Grossa, no Paraná, a
partir da mudança de legislação. No ranking são analisadas as restrições para a implantação de ERBs, a
burocracia no processo e os custos. “O tempo para se obter uma licença pode superar um ano em algumas
localidades”, disse Tude.

A segunda colocação no ranking também não foi alterada, Várzea Grande, no Mato Grosso. Já a terceira
colocada, Rio Branco (AC) conquistou três posições e a quinta, Guarulhos, ultrapassou 8 posições. Em
quarto lugar está São José dos Campos, em sexto lugar está Cuiabá, que avançou uma posição.
A pior colocada no ranking foi Brasília. São Paulo, que terá nova legislação para implantação de ERBs,
foi a penúltima. Estão ainda entre as piores avaliadas Ribeirão Preto (96o), Fortaleza (97o) e Contagem
(98o).

Os resultados dos dois rankings foram apresentados no primeiro dia do Painel Telebrasil 2018.

Previous Camboriú fará mutirão para limpeza de fiação nos postes
Next Megatelecom assina acordo com rede comunitária de ensino e pesquisa

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *