Desde o anúncio da inclusão na lista de estatais a serem vendidas, a Telebras teve uma significativa valorização. O valor da empresa na Bolsa chegou a R$12,3 bilhões, com avanços diários acima de 30%. Nesta quarta-feira,28, porém, as ações ordinárias estão em queda de 40% para TELB3 e 27% para TELB4, as preferenciais, negociadas a R$ 155 e R$ 53, respectivamente.

Na terça-feira, 27, os papéis foram vendidos a R$ 480, ordinárias, com alta de 60% e R$ 85,95 as preferenciais, com valorização de 56,27%. Essa valorização não foi comentada pela estatal. Há poucos anos, a Telebras lutava para manter suas ações acima de R$ 1.

No dia 21, quarta-feira da semana passada, a Telebras publicou fato relevante confirmando a qualificação da Telebras no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República. O governo havia anunciado antes que a qualificação da estatal de telecomunicações tem a finalidade de estudar alternativas de parceria com a iniciativa privada, bem como propor ganhos de eficiência e resultado para a empresa, com vistas a garantir sua sustentabilidade econômico-financeira.

O prazo para privatização ou venda do controle não tem prazo, mas o governo poderá levar cerca de dois anos ou mais para análise, considerando a necessidade de diversas considerações e valuation, dentre outras medidas, o que inclui autorização legislativa, nos termos da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal no caso de privatização de estatais matrizes, se isso for apontado como o cenário mais viável.

Recentemente, o Tribunal de Contas da União (TCU) rebaixou a estatal como dependente do seu órgão matriz,diante da dificuldade da empresa em se autossustentar. Por essa razão, no novo orçamento, os recursos da Telebras virão junto com os do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Além do satélite geoestacionário, que cobre todo o país com acesso à banda larga, a Telebras tem um backbone de quase 30 mil km.