Brasscom quer capacitar mais de 150 mil profissionais em TIC


Brasscom lançou nesta sexta-feira, 6, um projeto para formação de profissionais em Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil. O Programa de Aceleração da Capacitação em TIC foi aprovado pelo Conselho de Administração da associação com o objetivo de massificar a oferta de mão de obra qualificada para o setor, com a formação de 156 mil alunos. 

Segundo estudo da própria entidade, 420 mil novos trabalhadores seriam demandados pelo setor entre 2019 e 2024. Em uma média simples, anualmente, o mercado precisa de 70 mil profissionais. Hoje, no entanto, apenas 46 mil pessoas são formadas com perfil tecnológico a cada ano. 

PUBLICIDADE

Como primeiro passo, a associação construiu uma proposta de capacitação mínima, levando em conta um dos perfis de maior demanda do setor: o desenvolvedor web. O curso proposto terá três meses de duração, com uma carga horária total de 264 horas, em formato híbrido – com aulas presenciais e a distância. A capacitação busca habilitar a entrada, em posição inicial, nas áreas técnicas das empresas de tecnologia. Além das discussões sobre a era digital e sua fenomenologia, a grade inclui conteúdos técnicos, como HTML, CSS e Java Script, habilidades socioemocionais e projeto integrador. 

De acordo com o presidente executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo, a carga horária enxuta é uma estratégia para reter os alunos. “Entendemos, inclusive através das conversas no nosso Grupo de Trabalho Temático de Formação de Talentos, que cursos com carga horária extensa tendem a desmotivar e acabam por gerar a evasão”. Gallindo pontua, ainda, que “o curso não é exclusivo para empregabilidade jovem, mas também alcança profissionais mais experientes que tenham interesse na requalificação e mudança de carreira”. 

Parcerias estratégicas

Ainda neste mês de agosto, serão selecionadas duas instituições de ensino e duas ONGs ou EduTechs para fazer parte da edição piloto, que contará com 100 alunos, divididos em quatro turmas, em diferentes regiões do país. A Brasscom custeará integralmente essa etapa do projeto, com um investimento de R$ 278 mil. 

Além do pagamento pela entrega dos conteúdos por parte das capacitadoras, há um aporte financeiro visando a inclusão das pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Para os alunos, o curso será gratuito. Além disso, gastos mensais com internet, deslocamento e alimentação, e até um reconhecimento de R$ 100 pela conclusão do curso, serão pagos pela Brasscom. Ao fim, a associação emitirá um certificado de conclusão – conjunto com as capacitadoras – para cada aluno. 

(Com assessoria de imprensa) 

 

Previous Cidades do Paraná já cobram imposto de fibra nos postes
Next ISP tem até o dia 30 para aderir às regras de qualidade

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.