Compartilhamento de headend é opção rentável para o ISP


Ao optarem pela oferta do serviço de TV por assinatura, os provedores de internet contam com uma facilidade significativa: o compartilhamento de headend é realidade em modelo de negócio. O formato tem se destacado no setor por conta da diminuição dos custos de operação e agilidade na criação do serviço. A MultTV, uma das empresas que oferece o sistema, registrou um crescimento considerável: a companhia, que atualmente possui 40 clientes no Brasil, passará a contar com 70 até o final deste ano, um crescimento superior a 75%.

Headend é uma central de recepção e processamento de mídia necessária para a operação dos serviços de TV paga, que recebe os sinais de canais variados e os transmite com qualidade para a casa do assinante. Com o formato de compartilhamento, os valores da operação são divididos e tornam-se acessíveis. “Nós simplificamos e apoiamos o provedor desde a fase de implantação e até a operação do produto de TV por assinatura, reduzindo em mais de 80% o custo de implantação e diminuindo em 50% o tempo de lançamento”, explica Osmir Henrique Petrini, presidente da organização.

A distribuição dos sinais é feita por meio de satélite da empresa SES e atinge por Banda C cerca de 99% do território nacional, transmitindo emissoras como Discovery Channel e ESPN em alta definição (HD). Atualmente, a MultTV é responsável por levar o serviço para diversas regiões do país, como Santarém (PA), Vale do Paraíba (SP) e o interior gaúcho.

PUBLICIDADE  

Crescimento

 Companhias de todo o país têm celebrado grandes resultados ao oferecerem mais um serviço aos assinantes, já que anteriormente comercializavam apenas telefonia e internet. “Nossos parceiros têm em média uma adesão de 15%, chegando a 30% em alguns casos, de planos de TV vendidos juntamente com a banda larga. Outro ganho importante que acompanhamos é o crescimento de vendas de pacotes de internet, devido a associação da marca do provedor com programadoras como Discovery, Disney, Band, Turner e Viacom”, conta Petrini.

Além das perspectivas de mercado, a MultTV também planeja neste ano disponibilizar serviços variados ao consumidor, como Multitela e Video On Demand (VOD).

Mudanças

 Em fevereiro, a Algar Telecom encerrou as operações de seu serviço de televisão por assinatura, que contava com cerca de 68 mil clientes nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Em 2019, a Vivo passou a dar enfoque ao modelo de transmissão via fibra ótica, que atinge um menor número de municípios, quando comparado ao DTH (conhecido pela utilização de pequenas antenas na casa do assinante).

As mudanças refletem o atual momento do mercado, em que as grandes empresas enfrentam o alto custo para ofertar o produto via satélite, por meio de central individual.

Com o fim da comercialização da tecnologia DTH e a ausência de grandes operadoras, as companhias regionais, que já ofereciam internet banda larga e telefonia, passaram a disponibilizar televisão por assinatura. O grupo de pequenos provedores tem alcançado grandes resultados inclusive, levando produtos de qualidade em locais onde existe a ausência das gigantes do setor.(Com assessoria de imprensa)

 

Previous STF divulga participantes das audiências sobre Marco Civil da Internet
Next Com ISPs, Algar leva mais de 1 mil km de fibra óptica para 32 cidades

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *