A evolução dos ataques de negação de serviço (DoS). Seu provedor está preparado?


Os ataques de negação de serviço, do inglês Denial of Service (DoS), são uma preocupação constante dos administradores de redes e devem ser objeto de muita atenção dos provedores de acesso à internet. Os ataques ocorrem, geralmente, quando uma rede ou aplicação são sobrecarregadas por um volume de tráfego ou processamento anormal, provocados intencionalmente para prejudicar a disponibilidade de um serviço.

O analista de segurança Rildo Souza, do Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (Cais), mantido pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), conta, neste entrevista, quais as principais vulnerabilidades que permitem a ocorrência desses ataques e como se prevenir.

PUBLICIDADE  

O que são os ataques de negação de serviços?
Rildo Souza – São ataques que têm como objetivo indisponibilizar os recursos de um sistema e impedir o acesso dos usuários.

Quais as formas de ataque?
Souza – Podemos dividir as formas de ataques de negação de serviço em três categorias:

1 – Volumétricos: visam consumir toda a largura de banda disponível no alvo. O objetivo principal desse tipo de ataque é congestionar a rede e causar indisponibilidade no acesso. Normalmente esse tipo de ataque é causado pela exploração de vulnerabilidades em serviços que utilizam o protocolo UDP.

2 – Exaustão de recursos de hardware: esse tipo de ataque está associado às tabelas de estado de conexões TCP que muitos componentes utilizam, exaurindo recursos como processador e memória de dispositivos como balanceador de carga, servidores de aplicação e firewalls. Geralmente é causado pelo envio de pacotes IP fragmentados ou pelo envio de pacotes TCP Syn pelo atacante.

3 – Ataques na camada de aplicação: são restritos, como o nome diz, à camada de aplicação, isto é, a camada 7,  diferente do primeiro ataque. Nesse caso, é necessário pouco tráfego para se gerar um grande ataque. Muitas vezes  podem ser confundidos com problemas de implementação da aplicação. Normalmente esse tipo de ataque é causado pelo envio de diversas requisições HTTP GET e HTTP Post ao servidor web .

Quais as principais vulnerabilidades que permitem acontecer os ataques?
Souza – As principais vulnerabilidades envolvem configuração incorreta ou insuficiente por parte dos administradores de redes em serviços que utilizam o protocolo UDP para se comunicarem. Os principais protocolos que são explorados e consequentemente mal configurados são DNS, NTP, SNMP, SSDP e Netbios.

Como identificar o problema rapidamente?
Souza – O jeito mais rápido de identificar ataques de negação de serviço é pela análise do tráfego de rede que está sentra e/ou sai pela rede, ferramentas de monitoramento de tráfego, coleta de flows e comportamento anormal, consumo excessivo de hardware, de dispositivos como firewalls e IPS podem ser utilizados.

Como se prevenir?
Souza – A melhor forma é realizar configurações seguras nos serviços que usam o protocolo UDP e que precisam ficar disponíveis publicamente, isto é, ficar disponíveis para acesso na internet. É importante colocar controles de rate-limit , habilitar os módulo do Apache modsecurity e mod-evaside. Essas ações aumentam a segurança do seu servidor web visto que na grande maioria das vezes é o principal alvo desse tipo de ataque.

O que fazer diante de um ataque?
Souza – A primeira recomendação seria entrar em contato com o ISP e informar que está sofrendo um ataque de negação de serviço e solicitar ajuda deles. O ISP provavelmente irá realizar o bloqueio do tráfego malicioso antes do mesmo chegar até você.
Outras medidas seriam:
1 – Realizar bloqueio no IPS/Firewall do tráfego malicioso
2 – Verificar a possibilidade de criar blackhole para as redes atacantes

Especificamente para pequenos ISPs, há soluções acessíveis?
Souza – Nossas recomendações para pequenos ISPs, nos casos de ataques de negação de serviço, são:
1 – Implementação da BCP-38. Basicamente consiste em evitar a técnica de spoofing de endereços IP através de regras de firewall ou habilitar a opção RPF no seu switch/roteador.
2 – Implementar Blackholing para endereços bogons. Bogons são prefixos BGP que são reservados ou que não foram disponibilizados publicamente ainda.
3 – Eliminar looping estáticos, isto é, assegurar que todo seu espaço anunciado no BGP tem rotas internas para suas redes, evitando assim os loopings.
4 – Utilizar ferramentas open source para mitigar ataques, como Fastnetmon + ExaBGP

Previous ISPs reclamam da demora da Anatel para assinar o termo de autorização para LTE
Next Provedores do Paraná articulam ações com parlamentares

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *