Google aponta tendências Tech para 2021


Com a pandemia da Covid-19, o interesse pela adoção da nuvem em diversos mercados passou a ser realidade no mundo todo e o fenômeno foi ainda mais acelerado em 2020 com a procura por soluções online, muito relacionadas ao trabalho e estudo remotos. Para este ano, a tendência é que segurança de dados e capacidade de armazenamento sejam prioritárias, aponta Adolfo Abreu,  gerente de Customer Engineer do Google Cloud no Brasil.

Segundo levantamento realizado pela consultoria IDC, 59% das empresas brasileiras já estão fazendo a transição para um modelo de nuvem híbrida em suas estruturas de TI. “A tendência entre as empresas que buscam acelerar seus processos de transformação digital é a preparação para alcançar uma infraestrutura em nuvem, a fim de obter uma operação mais ágil, eficiente e flexível, obtendo assim mais insights relevantes baseados em dados, tornando-as mais competitivas para seus mercados de forma geral”, explica o executivo.

Com isso em mente, o executivo listou cinco tendências em tecnologia de nuvem e as expectativas para o ano de 2021:

PUBLICIDADE  
  1. Custo-benefício: A próxima fase da computação em nuvem terá como foco os benefícios dessa transformação e não apenas o custo. Para 2021, os modelos de nuvem começarão a adotar análises de dados e inteligência artificial (IA), com sistemas mais complexos e completos, acelerados pelas demandas dos clientes.
  2. Privacidade em primeiro lugar: O modelo de nuvem moderno deve suportar a discussão em torno da soberania dos dados e questões de acessibilidade, mudando a forma como as empresas fazem negócios. Com o aumento de regulamentações e as preocupações com segurança e privacidade, o Google Cloud construiu plataformas com base nesses requisitos básicos, para que as empresas possam fazer a migração para a nuvem com a garantia de que os dados estarão protegidos.
  3. Estratégia de TI aberta: Em 2021, estima-se que 80% ou mais das empresas adotem uma estratégia de TI híbrida ou multi-cloud. Os clientes da nuvem desejam opções para digitalizar suas cargas de trabalho. As APIs abertas serão os caminhos a seguir, devendo ser adotadas pela maioria das empresas, permitindo que obtenham os benefícios específicos de que precisam de cada nuvem como se fosse uma infraestrutura única. Uma infraestrutura aberta permitirá a escolha do caminho da nuvem que funciona melhor para cada negócio.
  4. Inteligência de dados em tempo real: Em breve, os dados residentes na nuvem devem superar os arquivados em data centers. Isso ocorre porque os dados mundiais crescerão 61% até 2025. O desafio será capturar a utilidade desse montante de informações. Acompanhar dados armazenados anteriormente pode trazer várias informações, mas cada vez mais exigidas informações imediatas, principalmente para reagir a casos inesperados com agilidade com ganho de custos e mitigação de riscos.
  5. Diferenciação no mercado: Embora a nuvem possa trazer incontáveis oportunidades para melhores opções de análises e gerenciamento de dados, o fato de tantas empresas estarem mudando para essas soluções significa que as organizações precisarão de uma estratégia digital forte para se manterem competitivas, e isso se estende até o armazenamento de dados. A tendência é diminuir a linha que separa os dois tipos de armazenamento e processamento. Para as empresas, a mudança está acontecendo rapidamente e são empolgantes. Com a utilização de todas as opções que são oferecidas atualmente, as companhias serão capazes de responder em tempo real aos problemas, ajudar as pessoas e obter insights de negócios cada vez mais inteligentes, de forma mais rápida.(Com assessoria de imprensa)
Previous BC e Conexis assinam acordo para implantação do Pix Cobrança
Next Carlos Raimar Schoeninger é o novo presidente da Padtec

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *