A Ampernet Telecom, provedora de serviços de internet, decidiu ampliar sua atuação para além dos estados do Paraná e Santa Catarina onde atende a clientes residenciais e corporativos em 30 cidades. Viu que a região de fronteira com a Argentina e o Paraguai tinha carência de comunicação e que ali poderia estar um bom negócio.

Há três anos, segundo Thiago Luquini, diretor executivo da Ampernet Telecom, decidiu caminhar nessa direção. Conseguiu as licenças necessárias para atravessar as fronteiras entre Foz do Iguaçu, no Paraná, e o Paraguai, por meio da Ponte da Amizade, e entre Foz do Iguaçu e a Argentina, com seu cabo óptico cortando a Ponte Tancredo Neves em direção a Puerto Iguazu. Em outro ponto, vai atravessar a fronteira seca entre Barracão, no Extremo-Oeste de Santa Catarina, e Bernardo de Yrigoyen, na província argentina de Missiones.

Concluídos os trâmites burocráticos, a empresa ampliou a infraestrutura e agora está investindo na construção de redes DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing) em cidades-chave do Sudoeste do Paraná, com o objetivo de agregar mais capacidade de transmissão ao seu backbone óptico e ampliar sua oferta de serviços na região. E escolheu a tecnologia da Padtec para iluminar um novo trecho de sua rede óptica, com 370 quilômetros de extensão e terminações nos municípios de Foz do Iguaçu e Pato Branco, ambos no Paraná.

Para Argemiro Sousa, diretor de Negócios da Padtec, as vantagens da tecnologia DWDM aplicam-se, cada vez mais, às operadoras de redes regionais. “Com a solução compacta da Padtec, por exemplo, provedores de serviços como a Ampernet podem começar montando redes com canais de 10 Gb/s e ir expandindo gradativamente sua capacidade, chegando a canais de 100 Gb/s, conforme aumenta a demanda e sua atuação no mercado. E isso em apenas 4U de altura.”

O investimento, explica Luquini, é para atender ao novo mercado que se abre na região de fronteira. “Só agora vamos começar a comercialização. Até então, estávamos preparando todo o processo”, conta. No alvo, estão os provedores de internet argentinos e paraguaios que atuam na região de fronteira, para os quais a Ampernet quer vender capacidade de rede, e clientes corporativos. As cidades da fronteira e seus centros comerciais abrigam muitas empresas e condomínios de empresas que são clientes potenciais do novo projeto da Ampernet.

 

Consumo de 70 Gigas

Criada em 2001 em Ampère, no Sudoeste do Paraná, a Ampernet tem hoje uma demanda, por seus clientes, de 70 Gbps. São clientes residenciais e comerciais, que atende diretamente ou por meio de franquia a outros provedores, aos quais oferece um leque de serviços que inclui banda larga, telefonia fixa e os de datacenter, além de serviços especializados de internet para empresas.

De acordo com Luquini, a empresa compra capacidade da Century Link, Eletronet, Algar Telecom, e conta com sistema de redundância. Seus data centers (são dois, um em Ampère,outro em Pato Branco) têm conexão tripla com o PTT de São Paulo e abriga CDNs dos principais provedores de conteúdo de internet.