A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) prendeu, esta semana, o proprietário de uma empresa provedora de internet, em Fortaleza, suspeito de receptar cabos de fibra óptica, que pertencem a um grupo de telecomunicações. Segundo a Polícia, a empresa funciona há quatro anos e o proprietário, sem antecedentes criminais, pode ser penalizado com oito anos de reclusão.

De acordo com matéria publicada pelo site G1, o delegado Renê Andrade, do 1° Distrito Policial (DP), afirmou que os 875 metros de cabos utilizados na transmissão de internet, dispostos em rolos, foram apreendidos em um galpão próximo à sede da empresa. Ele informou ainda que o grupo lesado foi comunicado sobre o caso.

Conforme Renê, ao ser questionado sobre a procedência do material apreendido, o suspeito alegou que havia comprado o produto de um reciclador que passou em frente à empresa. Contudo, o delegado diz ser falsa essa versão.

“Isso é algo fantasioso. Os cabos pertencem exclusivamente à operadora vítima do crime, que não vende, nem disponibiliza o material. Por isso, não há a mínima dúvida de que eles têm uma procedência criminal, havendo a possibilidade que seja um produto vindo de um roubo de carga, um crime interno na operadora ou um furto nas transportadoras”, detalhou o delegado ao G1.