A onda de fusões e aquisições de provedores regionais de banda larga está apenas começando. E os provedores que têm interesse em crescer dessa forma precisa se preparar, conforme o diretor da Abrint, Basílio Peres. Um dos movimentos mais importantes é informar corretamente a Anatel sobre a base de usuários.

“Para participar [das fusões], os provedores precisam mostras estes números ao mercado. Para se fundirem, precisam mostrar os números da Anatel, precisam explicar pra sair do Simples Nacional”, ressalta.

Segundo ele, quando os provedores passarem a notificar corretamente os números, haverá um aumento vertiginoso na base de banda larga nacional. “Nós temos uma ideia de que os provedores dominam ao menos 40% do mercado, um mercado que é maior do que é registrado oficialmente. Tem 11,8 milhões de usuários não registrados, que dizem respeito à diferença entre o que é obtido de usuários de banda larga em casa no estudo TIC Domicílios, e os dados da Anatel”, lembra.

A união de provedores virá também pelo domínio que estes têm do mercado e da tecnologia. “O provedor que está lançando fibra tem que ser um pouco mais estruturado como empresa. Porque quem usa rádio, compra rádio conforme a clientela aparece. Com fibra óptica não funciona assim. É preciso um projeto de cobertura total”, observa.

Leia o texto completo no site Tele.Síntese.