A Anatel publicou hoje no Diário Oficial da União a decisão de cancelar as adjudicações referentes ao lote C nas frequências de 2.5 MHz que foram concedidos às empresas Ligue Telecom e TPA Telecomunicações, atualmente operando com a marca Unifique, em leilão realizado no final de 2015. As duas empresas já haviam conquistado espectro em suas áreas de atuação nos lotes A e B o que, de acordo com as regras, ocasionaria duplicidade de licenças. Para corrigir essa questão, com um pouco de atraso, a Agência nomeou os lotes para as segundas colocadas.

Conforme a publicação da Anatel, foram adjudicados lotes para as empresas ATK Informática e Telecomunicações, grupo G1 Telecomunicações, Qnet Telecom e para a própria TPA Telecomunicações.

Segundo Gabriel Sartor, CEO da Ligue Telecom, essa decisão já era esperada há algum tempo por conta da oferta feita pela empresa nos lotes A e B, cujas frequências permitem a operação móvel ao contrário das oferecidas no lote C com espectro em TDD, tecnologia que só permite a oferta de banda larga fixa.

PUBLICIDADE  

No leilão, a Ligue Telecom disputou espectro com as operadoras móveis e em alguns casos chegou a pagar ágio bem alto. Ela pagou R$ 1,045 milhão e levou seis lotes nos estados do Paraná e Minas Gerais. “Fizemos também ofertas para o lote C, no caso de não conquistarmos os demais. Mas nossa prioridade eram os lotes A e B e já estamos, inclusive, dando início às nossas operações com as frequências que adquirimos”, ressaltou.

A TPA, por sua vez, foi a empresa com maior desembolso entre as operadoras de menor porte que participaram do leilão ao lado da Vivo, TIM, Nextel, Claro e Sercomtel. Sua oferta foi de R$ 2,45 milhões para três lotes no estado de Santa Catarina.