Banda larga via satélite fica protegida com decisão da Anatel, comemora SindiSat


O presidente do SindiSat, Luiz Otávio Prates, afirmou ao Tele.Síntese que a decisão da Anatel que concedeu uma faixa protegida de 500 MHz mais 500 MHz de frequência para o sistema terrestre de satélite é uma antiga reivindicação do setor, que poderá acelerar a massificação da banda larga. “Não existe infraestrutura de telecomunicações no Brasil sem satélite”, vaticinou.

Para Prates, a decisão da agência, tomada na semana passada e publicada dia 11 no Diário Oficial da União, é fundamental porque assegurou que a banda larga satelital – que será prestada na banda Ka – deixa de sofrer interferência de qualquer outro serviço de comunicação terrestre, o que é vital para essa tecnologia, uma vez que os seus sinais chegam bem mais fracos do que os sinais terrestres. Prates disse ainda que o espectro reservado é para qualquer sistema fixo por satélite, o que significa que atende tanto aos satélites geoestacionários (que ficam em órbitas paradas e mais distantes da Terra), como os de órbita baixa ou órbita média.

O executivo negou que a frequência escolhida pela Anatel possa, no futuro, isolar o país no desenvolvimento da tecnologia da telefonia celular de quinta geração, terrestre. A agência definiu as faixas de 18,1 GHz a 18,6 GHz e de 27,9 GHz a 28,4 GHz para o uso exclusivo do serviço de satélite, dentro de dois anos. Acontece que os Estados Unidos já definiram a faixa de 28 GHz como uma daquelas que receberá a tecnologia móvel de quinta geração a IMT, o que significa que Brasil e EUA terão faixas diferentes na 5G, ou seja, aparelhos de celular mais caros.

PUBLICIDADE  

Mas, de acordo com Prates, a decisão da Anatel deve ser vista sob outro prisma. Primeiro porque foram os Estados Unidos que escolheram outra faixa para o satélite prestar o serviço, e além disso, a Inglaterra também apontou a mesma faixa que a brasileira para o serviço móvel por satélite de órbita baixa.

O conselheiro da Anatel, Leonardo de Morais, em seu voto, ressaltou que a União Internacional de Telecomunicações (UIT) não estava considerando para a harmonização global dos sistemas IMT a faixa de 27,9 GHz a 28,4 GHz .

O mais importante, segundo Morais, é que essas novas gerações de redes satelitais, de banda Ka, irão atuar em duas frentes: “mitigar as deficiências de infraestrutura e ampliar a disponibilidade dos serviços que provêm acesso à internet em banda larga, tanto pela prestação do serviço diretamente ao consumidor quanto pelo fornecimento de infraestrutura de transporte e de suporte às redes de SCM e de telefonia celular da nova geração”.

Para o segmento de satélite e para a Anatel está claro que sem essa tecnologia não se pode falar em fazer chegar a banda larga a todos os rincões do vasto território brasileiro.

Demanda

No entender de Prates, o alto valor da taxa do Fistel (Fundo de Fiscalização das Telecomunicações ) – de mais de R$ 200,00  por estação terrestre (ou pequena antena de satélite) –  continuará a ser um fator impeditivo para a universalização da banda larga, que ele julga, contudo, que deva ser tratada pelo Congresso Nacional. Segundo o executivo, algumas operadoras já fizeram estudos que demonstram que esse imposto afeta diretamente a demanda do serviço.

Mas ainda há muita carência por banda larga entre quem pode pagar até R$ 200,00 por mês, principalmente em regiões mal atendidas ou que não têm a rede terrestre de banda larga. Por isso o Fistel poderá ser assimilado por mais algum tempo. Em algum momento, porém, essa lei terá de ser totalmente reformulada.

Previous Consulta pública busca sugestões para Plano Nacional de IoT
Next iConecta instala site piloto de 4G LTE

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *