A fibra conectará rádios de rede celular?


Por Wes Oxlee

Este é o consenso. As operadoras de redes móveis optarão pela fibra como a tecnologia preferida para backhaul e fronthaul para rádios de rede celular sempre que possível devido aos requisitos de largura de banda cada vez maiores, agora e no futuro.

A fibra oferece às operadoras de rede muitos benefícios, tais como:

PUBLICIDADE  

Capacidade – a fibra pode acompanhar os requisitos de backhaul crescentes sem as limitações de throughput e de distância das outras tecnologias.

Escalabilidade – a capacidade pode ser ampliada com facilidade por meio da multiplexação de comprimentos de onda em cabos existentes ou puxando-se novas linhas através do conduíte existente.

Confiabilidade – a fibra oferece um tempo de disponibilidade de backhaul superior, levando a uma maior satisfação do assinante.

Redundância – a fibra pode fornecer backup crítico de micro cell para o fluxo contínuo de tráfego de rede se o link primário de backhaul falhar.

A densidade de rádios para o celular do futuro gerará a necessidade de convergência de rede entre o tráfego com fio e wireless, aumentando o requisito de soluções de rede de fibra que se concentrem no fornecimento de densidade, acessibilidade e flexibilidade para suportar múltiplas aplicações necessárias para o futuro.

Outro grande fator é reduzir o uso de energia e otimizar a utilização do espaço na torre. Muitas operadoras estão mudando para C-RAN a arquitetura (RAN centralizada) e a fibra é a chave para a transição. Com C-RAN, as unidades de banda base (BBU) são deslocadas da parte inferior da torre e para escritórios centrais ou locais de agrupamento de BBU, que podem estar localizados a vários quilômetros de distância.

No escritório central, as BBUs de vários cell sites são agrupadas e conectadas à cabeça de rádio remota através da conectividade fronthaul (para transportar dados dos cell sites para o agrupamento de BBU) e backhaul (para transportar dados das BBUs de volta para a rede principal).

A C-RAN oferece uma maneira efetiva de aumentar a capacidade, confiabilidade e flexibilidade da rede, reduzindo os custos operacionais. É também um passo necessário no caminho da cloud-RAN, onde a funcionalidade da BBU se tornará “virtualizada”, o que permitirá uma grande elasticidade e escalabilidade para os futuros requisitos de rede.

 

Wes Oxlee é diretor de soluções de conectividade wireless na unidade de negócios das Soluções de Conectividade da CommScope

Previous CommScope lança novo cabo de conexão com diâmetro reduzido
Next Anatel publica novo regulamento de compartilhamento de infraestrutura

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *