O mercado de ISPs, que vem obtendo números significativos neste ano, deve continuar aquecido em 2020, principalmente pela participação de fundos de investimentos, que passaram a enxergar esse segmento. A avaliação é do CEO da IPv7, empresa de engenharia em telecomunicações, e da Vispe, boutique de capital, Droander Martins, confirmada pelas projeções do diretor da InternetSul, Paulo Todeschini.

Uma prova da importância desse mercado é o espaço que a Futurecom deu este ano, promovendo debates sobre investimentos e com apresentação de muita tecnologia para os provedores regionais. “Isso nunca tinha acontecido”, disse Todeschini. Além disso, tem a previsão dos ISPs participarem do leilão do 5G, previsto para o ano que vem.

“Será mais um ano de consolidação do mercado, com fusão e aquisição das empresas mais organizadas, com regras de compliance, ou seja, um ano de muitas oportunidades”, prevê Martins. Porém, ele alerta que é preciso tomar cuidado com ofertas dos fundos de investimentos, já que há muita especulação nesse mercado. “É preciso zelar pelo negócio que é a vida do dono”, adverte.

Todeschini disse que há muitas ofertas dos fundos no mercado, tem aqueles que quer entrar como sócio do ISP, ou aqueles que investem dinheiro tendo como garantia a rede da empresa. “Há diversos modelos de negócios, mas só miram os provedores regionais que estão com as contas arrumadas”, afirmou.

Martins prevê fechar negócios de até R$ 1 bilhão em 2020, com a intermediação da Vispe, que já tem mais de 1 mil provedores em carteira. Segundo ele, a sua empresa qualifica o provedor para garantir investimentos seguros. Mas ele acredita que muitas fusões de empresas também serão observadas, como aconteceu em 2019. “É uma opção para crescimento dos ISPs”, disse.

Segundo o CEO da Vispe, os fundos de financiamento entenderam que o mercado de ISP foi o único que não entrou em crise no país e que tem grande probabilidade de crescer significativamente. Além disso, é um investimento barato para eles, especialmente os estrangeiros.

Martins e Todeschini também concordam em que os ISPs não podem ficar parados, mas sim investir em serviços para agregar valor a seus negócios. O diretor da InternetSul entende que as plataformas de vídeo são uma vertente importante, assim como a oferta de wi-Fi. Já Martins aposta em serviços de Internet das Coisas (IoT).

Droander Martins, por exemplo, vai investir em encubadeira para startup de IoT. Enquanto a InternetSul vai organizar cursos de capacitação, para formação de técnicos de rede, um profissional que sempre falta no mercado.