Serviço de vídeo pode ser diferencial ou grande problema para ISP


A oferta de serviço de vídeo pelo provedor de internet pode ser um diferencial ou uma fonte de problemas. Isto porque, há muita desinformação nesse mercado, que é de difícil regularização, afirma a CEO do grupo Stenna, Carolina Vargas, que atua no segmento de distribuição, intermediação e agenciamento de conteúdo.

O cerco da Polícia Federal e da Ancine contra pirataria na TV paga já indisponibilizou muitos sites e até prendeu dono de ISP, conta Carolina. Isso não só pela distribuição dos conversores piratas, mas também por disseminação de conteúdos não habilitados.

Segundo a executiva, alguns provedores montam uma plataforma de streaming e captam canais na internet não protegidos por criptografia e distribui sem autorização. “O canal não criptografado não indica normalmente que seja gratuito”, afirma. Para casos assim, só tem um caminho, o da regularização.

PUBLICIDADE  

Hoje, os custos para implantação de uma plataforma de streaming estão mais baixos, em torno de US$ 1,5 mil mensais, mas o conteúdo continua salgado, diz Carolina. A saída, ensina, é convencer às programadoras de que a redução de custos do conteúdo é a melhor política contra a pirataria.

A criação de cooperativas ou a busca de empresas intermediadoras, como a Stenna, facilitam a jornada. Além de regularizar serviços de vídeo, a empresa pode apontar o que cabe no bolso dos empreendedores, quais os conteúdos que fazem sentido nas regiões onde atuam.

 

Previous Lei sancionada amplia uso da conta poupança social digital
Next Itaú Unibanco abre mais de 2 mil vagas em tecnologia

2 Comments

  1. Avatar
    27 de outubro de 2020
    Responder

    Está com erro de digitação em provedor

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *