Wirelink anuncia nova ampliação do backbone


A Wirelink ampliou seu backbone na região Sudeste com os novos trechos ligando a capital Brasília a Belo Horizonte e Belo Horizonte-Rio e Belo Horizonte – São Paulo. Vanderson Santana, diretor de venda, explica que o backbone nasceu a partir de Fortaleza e na primeira onda de expansão conectou os principais estados do Nordeste. No segundo movimento de expansão, avançou para a região Norte; e por fim, chegou ao Sudeste há dois anos cobrindo todos os estados da região.

“Este backbone é o mais moderno do Brasil, sendo 100% eletrônico. Já conta com 35 mil km de fibra própria e  tecnologia DWDM.  “Também temos swaps com todas as operadoras para troca de capacidade”, destaca. As novas ligações Imperatriz – Brasília, Brasília – Belo Horizonte, Belo Horizonte – São Paulo formam um triângulo protegendo todas as conexões e permitindo contingência.

“Temos como princípio ter  backbone 100% protegido, com alta capacidade DWDM. São 40 canais de até 200 Giga, permitindo tráfego acima de terabites”, explica Santana.

PUBLICIDADE  

A empresa atende a quatro verticais: provedores de banda larga, governo, empresarial e operadoras. Além do backbone, a operadora tem redes metropolitanas próprias que a permite oferecer também serviços de backhaul. Santana não considera que esteja havendo sobreposição de infraestrutura com a proliferação de backbones regionais.

“O Brasil ainda tem mercado para expansão de backbones de fibra. Não há ainda sobreposição e o país  tem carência de infraestrutura de alta capacidade. A Oi tem muita capilaridade mas não tem capacidade para expandir. A gente bate na tecla de que tem o backbone mais moderno do país, porque temos como premissa já iluminar a rota com rede privada de alta capacidade, permitindo um escalonamento dessa capacidade. Hoje, em regiões com demanda de 100 a 300 Gbps, nosso backbone está preparado para atender de 4 a 10 tera”, distingue Santana.

M&A

Com infraestrutura tão atraente, a empresa reconhece que pode estar no radar dos fundos que estão com apetite para aquisição de infraestrutura de telecomunicações.

“Sem dúvida, este movimento de fundos de private equity e outros fundos que têm interesse de investir no Brasil é uma oportunidade. Começou há cinco anos e a grande dificuldade para a concretização do negócio é a qualidade dos ativos. Precisa ser uma rede certificada, que garanta toda a disponibilidade que uma rede de telecomunicações exige. Esse movimento só não ocorreu antes porque não existiam ativos capazes de receber esses investimentos. Agora melhorou bastante e o mercado precisa dessa consolidação para poder garantir o crescimento da infraestrutura”, analisa Santana.(Por Carmen Nery)

Previous Empresa oferece curso de vendas de serviço de TV para ISPs
Next Decisão da Anatel sobre TV vai estimular ISPs, diz Neo

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *