UM Telecom trabalha para disputar lote da faixa de 26 GHz


A UM Telecom vai participar do leilão do 5G, marcado para o dia 4 de novembro. A informação é do CEO da operadora Rui Gomes, em entrevista ao Tele.Síntese, nesta sexta-feira, 1º. O alvo é o lote regional na faixa de 26 GHz, que pode ser arrematado em conjunto com três ou quatro provedores do Nordeste, mas não descarta a possibilidade de seguir sozinho. 

“Essa modificação da frequência de 26 GHz para gente foi muito positiva, eu bato palmas para a Anatel, o presidente Leonardo [de Morais], o Abraão [Silva], o conselheiro [Emmanoel] Campelo e todo o pessoal lá que tornaram possível a participação das PPPs [Prestadoras de Pequeno Porte], mesmo que seja em consórcio”, disse Gomes. Para ele, a redução do tamanho dos lotes (de 400 para 200 MHz) e até do período de uso (de 20 para 10 anos) diminuíram o preço mínimo do lote do Nordeste a um quarto do que estava previsto, de R$215 milhões para R$ 52 milhões. 

Para o executivo, a agência abriu uma oportunidade única para que as PPPs participarem do leilão da faixa de 26 GHz. “Se as empresas querem prosperar, precisa estar dentro do 5G e o edital proporcionou nosso sonho se tornar mais palpável, já que para prosperarmos precisamos estar dentro do 5G”, disse. 

Gomes disse que está se movimentando bastante no intuito de fechar o consórcio com mais três ou quatro operadoras do Nordeste. Segundo ele, em consórcio a conta fecha mais rápido, uma vez que o ARPU da região é muito baixo. A banda larga via FWA e Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) são os focos da operadora, que atende ao mercado corporativo. 

-É muito importante a gente conectar coisa, uma erb do 5G vai proporcionar a conexão de mais de 20 mil devices, por isso é fundamental ter essa frequência. E para a banda larga é essencial do mesmo jeito, ter praticamente um backbone de rádio em toda a região Nordeste é imprescindível para que possamos prosperar”, afirmou o CEO da Um Telecom. 

De acordo com Gomes, ter telefonia móvel e FWA é um bom plano de negócio pensando no futuro, com soluções completas que a sociedade demanda para cada vez se tornar mais digital. “Nós, PPPs já temos bastante fibra, ou seja, a infraestrutura está quase pronta, é só botar as antenas”, afirmou. 

A estimativa da UM Telecom é de que cada antena chegue a R$ 150 mil, mas a formação do consórcio pode compartilhar os custos, inclusive do core da rede. Essas questões vão ser discutida na próxima reunião entre as empresas que estão negociando o consórcio já nessa segunda-feira, 4. “Temos que correr porque o tempo é curto”, disse, lembrando que as propostas precisam ser entregues na Anatel no dia 27 deste mês. 

A ideia do consórcio é de levar o 5G onde as grandes operadoras não têm interesse econômico. “Cidades como Salgueiro, Orobó, Ouricuri, que têm o nível de renda muito baixo, sem as PPPs, vão demorar bastante para ter acesso a essa tecnologia”, disse. 

Outro mercado que a UM Telecom busca é de rede privativa. Para isso, não precisa adquirir frequência, apenas solicitar a autorização à Anatel. Assim como o uso secundário de espectro, mas nesse caso, ainda aguarda alguma regulamentação. “Ainda falta segurança jurídica nessa área”, disse Gomes. 

Previous Anatel publica nova lista de cidades que serão atendidas pelo PGMU
Next Brasil TecPar compra mais 4 ISPs e supera meta de receita

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *