O crescimento de redes de fibra óptica – alta de 81% entre maio de 2018 e o mesmo mês em 2019 – e o avanço do número de provedores regionais – mais de 17 mil, segundo dados da Anatel – os ISPs precisam criar estratégias para fugir da “comoditização” dos serviços, avalia o diretor comercial da Megatelecom, Luiz Felipe Teixeira. No seu entendimento, tais fatos estão acelerando a criação de uma nova fase no mercado de Telecom, intitulada pela própria empresa como NGTP (Next Generation Telecom Provider), que é a transformação das operadoras de telecomunicações tradicionais em empresas totalmente voltadas ao provimento de tecnologia.

“Sempre tivemos um viés de boutique de Telecom, por isso investimos na criação de serviços, aumentando nosso portfólio de três para onze, que incluem PABX Virtual; SD-WAN; Firewall / WAF; Proteção DDoS, além do serviço de Multi Cloud Connection, que conecta (sem uso de internet) a rede local de nossos clientes aos seus ambientes de cloud pública no mundo todo. E tudo isso com entrega 100% em fibra óptica”, explica Teixeira.

E com relação ao acesso à internet tradicional, Luiz Felipe completa: “atualmente, o que importa para uma empresa, na verdade, não é a quantidade de banda da qual dispõe, e sim o qual rápido e quão seguro é o acesso ao conteúdo desejado. Para oferecer isso aos clientes, além da fibra em si, é preciso contar com uma gama de “trânsito” com diversas operadoras”.

Por isso a Megatelecom possui contrato com o serviço de oito players do tipo, sendo três deles internacionais, além de conexão direta com conteúdo como do Google, da Netflix e do Facebook. Isso, para proporcionar a melhor experiência de navegação, sempre priorizando a transmissão de dados com menor latência, segurança e gestão de rede.(Com assessoria de imprensa)