Brasil TecPar projeta fechar o ano com 13 aquisições


Gustavo Stock, Presidente da Brasil TecPar - Foto: Divulgação
Gustavo Stock, Presidente da Brasil TecPar - Foto: Divulgação
Gustavo Stock, Presidente da Brasil TecPar - Foto: Divulgação
Gustavo Stock, Presidente da Brasil TecPar – Foto: Divulgação

O Grupo Brasil TecPar já projeta uma receita de R$ 302 milhões para 2021, após a aquisição de nove operações no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo, algumas delas de empresas de grande porte. Mas pode fechar o ano com receita de R$ 500 milhões, caso concretize ao menos metade das seis propostas vinculantes já apresentadas a provedores de três estados. 

A previsão é do CEO do grupo, Gustavo Stock, que justifica o crescimento acelerado à velocidade com que as aquisições estão acontecendo. Em 2020, a receita anual da ainda Gaúcha TecPar ficou na casa de R$ 174 milhões, com alta de. Só este ano, foi oficializada a S.A. Brasil TecPar, anunciando o propósito da companhia de atuação nacional. 

PUBLICIDADE  

Para alcançar as metas propostas, a companhia pode ter um aporte de recursos, caso as diligências em andamento com um fundo de investimentos brasileiros evoluam como o esperado. O pagamento de dividendos trimestrais desde 2016, facilita a celebração do acordo, avalia Stock. Ele afirma que não haverá repasse de controle da companhia. 

Preparação 

Para chegar a esses resultados, o grupo vem se preparando desde 2012, quando atingiu a liderança do mercado no Rio Grande do Sul. “Nós precisávamos de expansão, de agregar novos sotaques à companhia”, conta Stock. Ele disse que o processo foi longo e doido, mas os resultados alcançados fizeram valer a pena e podem antecipar a realização da abertura da companhia ao mercado, por meio de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), prevista para 2023. 

A companhia passou a adotar as boas práticas de alta governança, passou a ser auditada por uma empresa local e uma das “big four” (Deloit) e adotou os sistemas de gestão: SAP S/4HANA e HCM da Sênior. Ainda contratou mais uma das consultorias de maior destaque no mundo (KPMG) para reforçar a auditagem. 

Em 2018, a companhia abriu escritórios em seis outros estados. Em Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Ceará, com o objetivo de apresentar o projeto da Brasil TecPar para os provedores locais, em busca de parcerias e aquisições. “Já estamos acompanhando a evolução de vários deles”, diz o CEO. 

Stock afirma que o projeto da companhia também prevê crescimento orgânico, por meio da expansão da rede. Porém, no seu entendimento, instalar fibra onde já há três ou quatro redes disponíveis se tornou contraproducente e a empresa focou em aquisições. 

Entre as operações adquiridas em 2021 se destaca o Data Center, em Santa Catarina, a Intnet, na região dos Lagos no Rio de Janeiro e com 41 mil assinantes e a NetSun, em São Paulo, que tem na sua carteira clientes de peso como Magazine Luiza, JSL, Movida, DHL e Mercado Livre. 

Para tornar a incorporação das empresas adquiridas de forma mais rápida e eficiente, a Brasil TecPar criou um departamento próprio para controlar a operação, com especial atenção para os clientes da operadora adquirida. Nos últimos cinco anos, foram mais de 30 empresas compradas. 

Além desse departamento, a companhia tem as subsidiárias Amigo Internet, voltada para o mercado de varejo; a Avato, focada no mercado corporativo; a Saferty Cables, plataforma de negócios entre empresas de telecomunicações e a Beiret, consultoria e projetos em engenharia de telecomunicações. 

A empresa já soma mais de 150 mil clientes no varejo e 10 mil no corporativo e mais de 800 colaboradores. “Nós estamos vivendo o melhor momento da companhia, mas continuamos com cautela para alcançar objetivos maiores”, completa Stock. 

 

Previous Rede neutra da Oi vai atender 10 ISPs com fibra até em casa
Next Serviços de telecomunicações caem 0,3% em junho

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *