V.tal quer muitos ISPs âncoras em sua rede


Pedro Luiz Arakawa | COO V.tal quer muitos ISPs âncoras na rede da empresa Crédito: Renata Mello
Pedro Luiz Arakawa | COO V.tal quer muitos ISPs âncoras na rede da empresa Crédito: Renata Mello
Pedro Luiz Arakawa | COO V.tal quer muitos ISPs âncoras na rede da empresa Crédito: Renata Mello
Pedro Luiz Arakawa | COO V.tal quer muitos ISPs âncoras na rede da empresa Crédito: Renata Mello

A V.tal, está presente na Abrint 2021 com o objetivo de reiterar ao ainda reticente e verticalizado mercado dos provedores regionais de internet que o uso da rede é para valer. Que ela é mesmo uma rede neutra, agnóstica e pronta para ser o parceiro dos demais operadores de telecomunicações na expansão do serviço. E por isso, em apresentação feita ontem, e conversa com o Ponto ISP, Pedro Arakawa, o diretor comercial da empresa de infraestrutura explicou:  ” O primeiro cliente, seja de presença nacional ou regional, que fechar parceria com a V.tal em uma região, será o âncora daquela região, assim como é a Oi na região dela”, afirmou Pedro Arakawa, diretor comercial (COO) da companhia.

E o que significa ser o âncora da empresa para uma determinada região?

“É o primeiro cliente, seja nacional ou regional, que fechou parceria com a empresa em região onde V.tal não tem cliente. Ele tem direito a fazer uso da rede por seis meses, antes de ser aberta para concorrentes e pode escolher como deverá ser feita a expansão da rede”, afirmou o executivo.

Conforme o Arakawa, o tamanho da região a ser ocupada pelo cliente âncora não está pré-definido, e será definido conforme o interesse do operador de serviço, no contrato a ser assinado. “A Oi é sim sócia minoritária da V.tal, mas apesar de acionista, não tem ingerência alguma na empresa”, afirmou.

Preço

Arakawa ressaltou que os preços praticados pela empresa são transparentes para todos os operadores que contratarem a rede da empresa, independente do seu tamanho do provedor de serviço. Observa que, mesmo para o mercado corporativo, a empresa não pretende jamais atender ao cliente final, pois seu negócio é mesmo oferecer a infraestrutura para os parceiros de telecom prestarem o serviço, seja para o segmento B2C, seja para o B2B. ” O princípio da neutralidade é a alta ocupação”, reforçou. Ele disse ainda que os preços praticados atualmente, se não estiverem atingindo a contento o segmento de varejo, poderão ser adaptados.

” A  conta tem que fechar. É natural que, com a maturidade do modelo dos provedores regionais e da própria V.tal,  isso vai se acomodar”, completou.

 

 

Previous Abrint 21: DPR Telecomunicações lança solução com Cash Back
Next Tendências que vão impulsionar a adoção do Wi-Fi6

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *