A extinção do eSocial, prevista no relatório da Medida Provisória 881/2019, desconsidera os vultosos investimentos das empresas aderentes e dos provedores de TI, para atender esta obrigação, afirma a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). A entidade, que colabora há 8 anos no planejamento estratégico e execução do projeto, disse que a substituição o sistema por outros separados levanta várias dúvidas, preocupações e insegurança.

Como será essa substituição? Quais serão as obrigações? O tempo de aprendizagem dispendido pelas empresas para entenderem e operarem novos projetos, bem como o investimento público realizados para a construção de sistemas auxiliares serão perdidos com a extinção do eSocial? são os questionamentos da associação.

– Migrar para o digital é um avanço e o direcionamento de simplificação é excelente, mas é importante lembrar que a complexidade não está no sistema eSocial. É preciso simplificar as obrigações trabalhistas, fiscais e previdenciárias”, sustenta a Brasscom.(Com assessoria de imprensa)