Acesso facilitado a streaming favorece à pirataria


À medida que os mercados de streaming (OTT) e de venda Direct to Consumer (D2C) continuam ganhando impulso e a implantação de serviços de Internet, baseados em fibra, se expandindo em todo o mundo, cria-se um ambiente altamente perturbador e desafiador. Agora, os consumidores obtêm seu conteúdo de uma ampla variedade de fontes, enquanto as negociações para adquirir licenças de conteúdo estão se tornando mais desafiadoras e caras para os provedores, que também enfrentam maior concorrência à medida que novos players entram no mercado.

Um grupo que se beneficia com essa imagem confusa são os piratas, haja vista os consumidores procurarem o conteúdo escolhido a um preço baixo – ou, durante um período de restrição econômica, sem custos. No ambiente tradicional de TV por assinatura, essa ameaça podia ser gerenciada com relativa facilidade, pois as operadoras tinham controle efetivo desde a distribuição ao ponto final – o STB. No entanto, como os provedores de OTT e D2C dependem da Internet aberta e de dispositivos de terceiros frequentemente, essa estrada anteriormente direta entre operador e consumidor agora parece um labirinto com muitos becos sem saída e alçapões. É por esse motivo que é necessário um foco próximo em uma estratégia de proteção de serviço.

Para novos operadores que iniciam ou fazem a transição para um serviço de streaming OTT, a segurança pode parecer avassaladora. Para alguns, pode parecer que estamos ao pé do Kilimanjaro olhando para o topo glacial aparentemente inacessível e imaginando como eles chegarão lá. Enquanto para outros, a segurança é vista como um problema de conformidade, onde eles podem e tomarão apenas as etapas mínimas necessárias.

PUBLICIDADE  

No entanto, com grande parte de seu catálogo potencialmente em risco, tanto os novos quanto aqueles que o fazem em prol da conformidade, precisam adotar uma abordagem que mapeie suas necessidades. Para alguns, o melhor método é uma estratégia de proteção de serviço que eles podem aplicar por etapas, enquanto para aqueles que veem a proteção como um problema de conformidade, uma abordagem abrangente que pode oferecer benefícios comerciais mais amplos pode ser o melhor curso de ação.

Independentemente do estágio em que o operador esteja, o primeiro passo lógico é usar um serviço multi-DRM. Eles também precisam aumentar sua proteção para garantir que os negócios atenuem todas as ameaças e, ao fazer isso, criar uma estratégia holística e completa de proteção de serviços. Existem seis elementos fundamentais que os operadores e provedores de serviços exigirão em maior ou menor grau, uma vez que a base multi-DRM esteja instalada, cada uma inter-operável com as outras:

  • Segurança avançada:impulsionado por uma plataforma de serviços de segurança, esse bloco garante proteção e gerenciamento centralizados de conteúdo por meio de uma única plataforma, independentemente de ser entregue via IP da rede de transmissão linear tradicional;
  • Reprodução segura:fornecendo segurança no nível do cliente, esse bloco geralmente é ativado por meio de uma abordagem mDRM, mas também inclui players de clientes comuns para garantir eficiência operacional, principalmente para os provedores que podem estar fornecendo seus serviços a dispositivos que não são atendidos pelo principais fornecedores de DRM;
  • Streaming seguro:oferece uma variedade de lógica e insight focada nos negócios para combater situações como compartilhamento de credenciais, autenticação de dispositivos ou gerenciamento de sessões. Isso permite que as operadoras assumam o controle de vários aspectos e possam gerir como os consumidores interagem com o serviço;
  • Antipirataria:um bloco-chave que luta contra o compartilhamento de conteúdo e de credencial. Além de identificar fontes de vazamento e executar ações de mitigação muitas vezes automáticas e imediatas, os serviços antipirataria podem revogar o acesso ao serviço de uma operadora a partir de certos dispositivos ou enviar mensagens de aconselhamento aos dispositivos finais, incentivando os usuários a migrar para o acesso legítimo;
  • Marca d’água forense:trabalhando perfeitamente ao lado de um bloco antipirataria, a marca d’água é a chave para combater o compartilhamento de conteúdo. Ela também pode trabalhar junto com a plataforma de serviços de segurança no alcance do serviço de “Segurança Avançada” para permitir que os provedores tomem medidas para mitigar o roubo;
  • Análise de segurança:o poder que atualmente impulsiona qualquer serviço de proteção de streaming de sucesso, a análise, alavancando a inteligência artificial (IA) e o aprendizado de máquina em sua essência, pode fornecer informações sobre o comportamento do consumidor, além de identificar correlações nos dados de monitoramento de serviços piratas. Derivada dos outros cinco serviços, a análise de segurança ajuda a identificar e agir rapidamente sobre uma ameaça, tanto no nível executivo quanto no operacional – por exemplo, compartilhamento inadequado de credenciais.

Esses blocos de construção, no formato que melhor se adequar aos provedores de serviços, ajudam a formar um modelo de proteção de streaming ativo e coeso, personalizado para cada serviço, com os dados coletados destacando as ameaças e as oportunidades de criar serviços seguros, aderentes e envolventes com dois efeitos positivos:

  • Primeiro, ao garantir um nível tão alto de proteção, os consumidores terão muito mais dificuldade em acessar conteúdo ilegalmente, o que significa que uma parte retornará a serviços legítimos.
  • Segundo, também permite que os provedores de serviços demonstrem o quão sério levam a proteção de conteúdo para os proprietários, tornando as negociações de licenciamento muito mais suaves.

Independentemente do tamanho ou do estágio em que estão, os operadores devem agir para proteger seus serviços. Cada fornecedor terá seu próprio conjunto de preocupações, oportunidades e resultados desejados, dependendo de sua própria situação e, portanto, de sua própria estratégia sob medida, com base nesses requisitos. A chave é dar um passo de cada vez, adicionando blocos à medida que a oferta aumenta, para proteger contra cada ameaça e reconhecer as oportunidades de crescimento que ela cria.

Tim Pearson, Senior Director, Product Marketing of NAGRA 

Previous Anatel libera mais lotes do leilão de sobras
Next Facebook Watch volta a transmitir jogos da Libertadores

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *