Google Cloud VMware Engine chega ao Brasil


Com o objetivo de ampliar cada vez mais a compatibilidade de seus serviços, o Google Cloud VMware Engine chega para a região de São Paulo. A novidade irá disponibilizar o produto de forma local para facilitar as migrações para a nuvem do Google, otimizando as operações dos clientes. A partir dele, companhias que utilizam as máquinas virtuais por meio do VMware Engine passam a ter benefícios relevantes para seus negócios, como migração para nuvem sem necessidade de mudanças estruturais ou de software, além de poder pagar pelos serviços na moeda local.

A tecnologia VMware permite a instalação e a utilização de um sistema operacional virtual, tornando os servidores e desktops gerenciáveis de forma escalável e otimizada. Com a regionalização do VMware Engine, o tempo de latência para execuções de tarefas digitais reduz de forma considerável para aqueles que utilizam as máquinas virtuais e operam na nuvem. Após o início da utilização, é gerado um ganho de produtividade e escalabilidade para momentos de picos de processamento de dados, como a Black Friday, durante um grande lançamento, ou até mesmo em um processamento mensal de curto tempo de execução, por exemplo.

Empresas que buscam a renovação/expansão de seus data centers, ou que querem aderir a ambientes de disaster recovery, também podem contar com as soluções do VMware Engine. O produto pode ser contratado de forma personalizada, de acordo com a demanda de cada cliente, o que traz a possibilidade de alocar gastos com equipamentos (Capex) ou operacionais (Opex), por dispensar a aquisição de servidores ou dispositivos de hardware. Em média, uma mudança para a utilização de ambientes virtuais VMware baseados no modo on-premise, ou hardware físico,  pode levar cerca de dois meses ou mais, levando em conta os equipamentos e alterações físicas necessárias para que isso funcione. Com a nuvem, esse tempo se transforma em minutos.

(Com assessoria de imprensa)

Previous Baigorri: edital do 5G é a maior oportunidade para ISP ter acesso a frequência nobre
Next RNP quer chegar a 77 localidades do Nordeste em 4 anos

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *