IA e o resgate da confiança no “fio do bigode”


Por Fabiano Falvo* 

Antes do estabelecimento dos cartórios no Brasil, o papel e a tinta eram itens disponíveis apenas para pessoas das classes mais altas, e os computadores provavelmente não faziam parte dos sonhos nem das mais visionárias criaturas. Até essa época, fazer negócios e cumprir acordos dependia exclusivamente da confiança entre as partes envolvidas. De muita confiança. É daí que ouvimos falar da expressão “no fio do bigode”, que é curiosa e, ao mesmo tempo, bem significativa, já que os acordos eram feitos com base na palavra empenhada e com o ritual de retirada de um fio do próprio bigode. Para os nossos antepassados, homem que era “homem” (ou seja, adulto) usava bigode e, para usá-lo, tinha que honrar essa condição de homem – em outras palavras, tinha que ser cumpridor de seus compromissos, custasse o que custasse.

Com o passar do tempo, surgiram as primeiras fraudes e, na década de 1970, a “lei de Gerson” começou a ditar as regras nas transações comerciais. O lema “Leve vantagem você também!” foi levado às últimas consequências, fazendo com que os processos ganhassem complexidade e se tornassem cada vez mais lentos. Afinal, era preciso combater os espertalhões. E, assim, os bons homens passaram a pagar pelos maus, pois o que era simples se tornou algo muito burocrático.

PUBLICIDADE  

Ainda bem que nos últimos 250 anos o mundo vivenciou avanços consideráveis. E hoje temos à disposição uma variedade de documentos para atestar nossas identidades, informações e intenções. Para quem busca segurança do processo, isto é perfeito. Mas, analisando sob a ótica do usuário, evitar as fraudes pode prejudicar essa experiência, pois tudo ficou mais moroso. Ou seja, esses comprovantes e a consequente burocracia envolvida incomodam, pois perdemos muito tempo no vai e vem de papéis, atestados e certidões. Nesses momentos de desânimo, dá saudade dos tempos do “fio do bigode”, em que apenas a palavra dada já bastava.

Só que o que muita gente nem imagina é que, da mesma forma que o coador de pano, as vitrolas e os discos de vinil ganharam popularidade entre as gerações mais recentes (num bem-sucedido resgate do bom e velho vintage), a tecnologia também nos possibilita viajar no tempo, fazendo com que a palavra tenha valor e com total segurança para todos os envolvidos.

Quando falamos em cultura de inovação, costumamos usar o “e se…?” (ou “what if…?) como um impulsionador. Sempre buscamos o melhor de cada coisa, dentro do melhor cenário, a fim de alcançar os melhores resultados. Então, se queremos estreitar a relação digital com os consumidores, cabe aqui algumas perguntas: e se fosse possível resgatar o fio do bigode novamente? E se pudéssemos apenas falar e termos a certeza da confiança como antes? E se a tecnologia nos ajudasse a resgatar esse método que, embora antigo, é muito mais prático – e menos burocrático, moroso e trabalhoso? A boa notícia é que a resposta para todos esses “e se…?” é bem simples!

Graças à Inteligência Artificial (IA), conseguimos resgatar a experiência simples com segurança e, ao mesmo tempo, desburocratizar processos antes tidos como intermináveis, verificando se o cliente é, de fato, ele mesmo,  a vontade do cliente e armazenando suas evidências para futuras negociações. Ao criar o iGree, a Neo disponibilizou para o mercado o melhor e mais avançado recurso de liveness detection, porque, além do reconhecimento facial, nossa ferramenta permite que seja gravado um vídeo, para provar que realmente é o consumidor que está fechando aquele contrato, além de detectar se o acordo está sendo feito com o seu consentimento.

Resgatar o poder da palavra e ter facilidade para “assinar” contratos por vídeo-self, sem sair de casa, gera segurança para quem negocia, comodidade para quem compra e agilidade para o processo como um todo. “Se para um bom entendedor, meia palavra basta”, com o iGree retomamos não só a prática do “fio do bigode”, mas também o da palavra empenhada, e com a tecnologia fornecendo total segurança no processo. E é com muito orgulho que já ajudamos milhares de consumidores e empresas não só a fechar bons negócios, como também a estreitar laços entre as partes, solidificando a confiança e promovendo a fidelização. Quase como um “De volta para o passado”, mas com toda comodidade oferecida pela inovação, um jeito de retrô com a segurança do presente e a inovação rumo ao futuro, que é a marca registrada da Neo.


* Head de produto da Neo

Previous ESET alerta para campanha de phishing que usa nome dos Correios para disseminar trojan
Next Microsoft lança plataforma de experiência para novos funcionários

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *