Operadoras reclamam das condições previstas aos pequenos provedores no leilão da 5G


Representantes de operadoras de telecomunicações reclamaram da destinação de lotes específicos e condições mais favoráveis no leilão da 5G para pequenos provedores regionais (ISPs) durante audiência pública realizada nesta quinta-feira, 12, sobre o edital de licitação. Apontaram que as empresas de menor porte podem comprometer  o uso das faixas de radiofrequência por falta de capacidade de investimentos para implantar a nova tecnologia.

Houve reação dos representantes dos ISPs. Eles defenderam a municipalização e mais regionalização das faixas para permitir maior participação do segmento na disputa. Um deles, o representante da Abrint, Helton Posseti, rebateu os ataques: “As PPPs [Prestadoras de Pequeno Porte] são empresas sérias comprometidas com investimentos em banda larga no Brasil. Tanto é que as PPPs têm mais do de 30% do market share da banda larga. Não se trata de nenhum privilégio para aventureiros e especuladores”.

Monique Barros, diretora de regulamentação da Claro, apontou que a 5G corre risco, se forem mantidos lotes exclusivos e com menos obrigações para uma parte dos concorrentes. “O Brasil é um país com grande desafio para o investidor, com tributos elevados, grandes dificuldades legislativas para instalação de infraestrutura, baixo poder aquisitivo da população e características geográficas desafiadoras”, afirmou.

PUBLICIDADE  

Adiantou que a maior preocupação da Claro é que as oportunidades e desafios sejam iguais a todos os interessados, sem facilidades para apenas parte deles. “É necessário que se garanta que adquirentes da frequência estejam comprometidos com implantação de uma 5G robusta e capaz de atender as novas soluções tecnológicas que surgirão no país, garantindo a prestação de um serviço de qualidade aos usuários. Isso só será possível afastando especuladores e empresas sem capacidade ou mesmo intenção de aportar investimentos necessários na infraestrutura de telecomunicações”, destacou.

Para o representante da TIM, Fábio Caires, a política de incentivos aos ISPs deve ser bem modulada, considerando que não se justifica a obrigação de oferta pública de direito de uso de radiofrequências, se a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já reservou espaço na faixa de 3,5 GHz. Também reclamou que o edital permita a dinâmica de conversão de 90% do lance somente para investimentos na faixa de 60 MHz, defendendo que isso deveria ser estendido para todas as operadoras.

No mesmo tom, o gerente de Estratégia Regulatória da Oi, Leandro Vilela, avaliou que lote exclusivo para ISPs “pode resultar em uso não tão eficiente do espectro”. Na avaliação dele, o uso ideal do 5G seria em torno de 100 MHz para as faixa de 3,5 GHz. Recomendou que sejam quatro lotes nacionais de 100 MHz com oportunidade a todas as empresas.  “Lotes muito pequenos não alcançam viabilidade econômica para se fazer o investimento”, afirmou.

No meio do fogo cruzado, o gerente de Espectro, Órbita e Radiodifusão da Anatel, Agostinho Linhares de Souza Filho, afirmou que a granularidade municipal na faixa de 3,5 GHz preocupa a área técnica por representar potencial de interferência entre estações que estão distante a quilômetros. Para ele, a coordenação das PPPs é um problema levando em conta que  o país tem 5.570 municípios.

O superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali, disse que a isonomia no leilão é muito importante para a Anatel. “O arranjo dos 100 MHz trouxe vários agentes do mercado”, afirmou.

(Por Abnor Gondim)

Previous STF suspende audiências do Marco Civil da Internet
Next Em 13 dias de março, 29 outorgas de SCM foram publicadas

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *