Reclamações em banda larga fixa aumentam após quarentena


As medidas de quarenta adotadas por conta da pandemia do novo coronavírus fizeram aumentar em 32% as reclamações registradas na Anatel sobre banda larga fixa na segunda quinzena de março em comparação com a quinzena anterior. Nos demais serviços (TV por assinatura e telefonias fixa e móvel), não foram registrados aumentos.

Entre os dias 1º e 15 de março foram registradas 27,7 mil reclamações sobre a banda larga fixa. Entre os dias 16 e 30 foram registradas 36,5 mil reclamações – ou 32% a mais, informou ao Tele.Síntese a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

PUBLICIDADE  

Em especial, cresceram as reclamações sobre “Qualidade, Funcionamento e Reparo”, que passaram de 8,7 mil para 15,7 mil entre as quinzenas do mês – crescimento de 81%. Na comparação do acumulado do mês de março de 2020 com o mesmo mês no ano de 2019, o aumento foi menor, de 11,62%.

Segundo o Procon-SP, uma reclamação frequente no índice é a não entrega da velocidade solicitada no ato da contratação de um serviço de internet fixa. Por isso, para o órgão de defesa do consumidor, a pandemia reforça a necessidade de mais investimentos para assegurar estabilidade em picos de consumo e a entrega dos pacotes contratados.

A Anatel atribuiu o comportamento dos consumidores à mudança de perfil de uso dos serviços e aumento abrupto de tráfego decorrentes da disseminação do Covid-19 pelo país, estimulando o crescimento do uso da internet fixa, nas residências durante o isolamento, no Brasil e no mundo.

Por isso, a Agência fez reuniões do Grupo de Gestão de Riscos e Acompanhamento do Desempenho das Redes de Telecomunicações (GGRR), estrutura institucional que reúne regulador e prestadoras para monitoramento da situação e adoção das medidas necessárias.

Além dos membros originais, foram convidadas associações de pequenas prestadoras, provedores nacionais e internacionais de aplicações e de conteúdo, bem como o Comitê Gestor da Internet (CGI) e o Ministério da Ciência Tecnologia, Inovação e Telecomunicações (MCTIC), coordenando ações conjuntas em prol da continuidade dos serviços digitais

Para a Anatel, as manifestações dos consumidores são essenciais para que a agência possa agir de maneira fundamentada e eficaz neste momento de crise sanitária e econômica. E recomenda que, caso não receba da operadora resposta adequada às suas demandas, o consumidor deve encaminhar suas reclamações à Anatel, por meio do sistema Anatel Consumidor, disponível em https://www.anatel.gov.br/consumidor/reclamacao.

Streaming

Para as operadoras, a proliferação do streaming e do uso de vídeo por conta do isolamento social  sobrecarrega as redes de comunicação. Os prestadores desses serviços já reduziram suas qualidades de transmissão, a exemplo de  Globoplay, YouTube e Netflix.

Segundo o SindiTelebrasil, sindicato das operadoras, as reclamações são pontuais e não ocorrência de instabilidade na rede das teles, mesmo com o aumento da demanda nas residências por conta da expansão do teletrabalho. A entidade destaca que as operadoras se juntaram para garantir que todos os brasileiros estejam providos de uma boa entrega dos serviços de telecomunicações durante a pandemia.

A Claro informou que está redobrando a atenção à operação das redes fixas e móveis e ao plantão permanente de equipes de implantação, instalação, reparo e manutenção de rede e serviços. Segundo a TIM, os técnicos da empresa estão trabalhando intensamente para atender não só as reclamações como os novos pedidos.(Por Abnor Gondim)

 

Previous Publicada nova regra que prorroga contribuições do Simples Nacional
Next Com apoio da Aloo, Ufal fará máscaras em impressoras 3D

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *