Estudo mostra reação positiva dos ISPs à pandemia


Estudo realizado esta semana pela Advisia mostra que provedores regionais responderam positivamente à pandemia do COVID-19, especialmente no sentido de proteger seus clientes e colaboradores, garantir a operação e entregar o serviço aos consumidores e serem criativos em relação a inadimplência e cancelamentos. “Está todo mundo em estado de alerta, trabalhando muito e isso faz a diferença”, afirma um dos sócios da empresa de investimentos, Rodrigo Leite.

De acordo com o levantamento, 100% dos ISPs entrevistados realizaram comunicações específicas sobre o COVID-19 para informar e tranquilizar seus clientes. Essa comunicação se deu em grande parte por meio de redes sociais, mas empresas se valeram de ligações telefônicas, SMS, e-mail, aplicativos e até visitas presenciais, a depender do grau de digitalização de cada uma delas.

PUBLICIDADE  

O estudo aponta que alguns dos ISPs estão oferecendo condições especiais a seus clientes. Entre esses, 41% ofereceram aumento de banda, esperando uma forte alta no consumo de internet; 30% concederam mais opções de pagamento, facilitando a vida de clientes que tornar-se-iam inadimplentes sem isto; e 16% ofertaram franquias adicionais. Houve ainda quem reduziu taxas de instalações, no percentual de 4%.

Os provedores estudados já sentem  mudança no consumo de dados, acima de 30%. E 58% deles acreditam que haverá necessidade de contratar maior capacidade de tráfego. Cerca de 20% que pretendem contratar mais banda esperam uma alteração nos preços negociados com fornecedores de link.

Para atender as demandas do confinamento, os ISPs implementaram medidas emergenciais, sendo o setor comercial o mais afetado (80%). Entre as ações adotadas estão alteração da escala de trabalho, em 70% dos provedores entrevistados e férias coletivas, em 38% delas. As demissões foram adotadas por 8% delas. A maioria das empresas teve que fechar seus pontos de venda físicos em conformidade com as indicações das autoridades de saúde. O restante adotou políticas de segurança.

O estudo mostra que há uma grande variação no percentual das equipes de backoffice que está trabalhando na modalidade home office. Um dos setores onde o trabalho remoto é mais forte é o administrativo financeiro, com 96% das respostas.

Vendas

Desde o início das medidas de contenção, 41% dos ISPs estudados apontaram aumento de vendas superior a 20%; 21% viram alta de até 20% e 21% não registraram alterações. No entanto, apenas 33% sentiram aumento significativo na fila para instalação.

Segundo a pesquisa da Advisia, estando na linha de frente de possível infecção, todos os técnicos dos provedores receberam instruções específicas de cuidados especiais. E, para maioria (67%), não há planos de interromper ou reduzir estas equipes, em caso de um cenário prolongado de crise.

Uma parcela expressiva (58%) projeta manter o ritmo de expansão planejado para 2020, enquanto 17% esperam aumento. Já 21% preveem uma redução moderada e 4% uma redução significativa. No curto prazo, a maior parte dos entrevistados não nota alterações nas taxas de inadimplência.

Em relação a estoque de materiais, mais de 90% das empresas possuem estoque suficiente para garantir a operação no próximo mês. Porém, 58% dos entrevistados esperam continuar operando com o mesmo patamar de custos de antes da pandemia. E 29% terão de implementar iniciativas de redução de custos.

A pesquisa foi realizada nos dias 24 e 25 deste mês, com 24 provedores regionais de todas as regiões do país, que respondem por 1,2 milhão de acessos. Leite afirma que essas empresas têm sido responsáveis pela revolução do mercado de acesso a internet e que têm espaço para crescer pelos próximos dois anos.

Previous Efeito Barragem – Manutenção Precária
Next Abrint pede apoio ao Congresso contra atendimento de inadimplentes

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *