Projeto cria regras para centrais de negócios entre pequenas empresas


Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei Complementar (PLP) 57/21, que regulamenta as centrais de negócios. Essas instituições são uma espécie de parceria entre pequenas empresas, que decidem atuar em conjunto para aumentar o seu poder de negociação, compra e venda. O texto tramita na Câmara dos Deputados. 

As centrais de negócios já são conhecidas no mercado mas não existe lei regulando as parcerias. A autora do projeto, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), baseou-se nessa experiência. 

PUBLICIDADE  

“Os ganhos de competitividade trazidos pelo modelo da central de negócio enfrentam desafios pela falta de um arcabouço jurídico que dê segurança e sustentabilidade a ações estratégicas”, disse Hasselmann. “No cenário econômico atual, percebemos que o formato associativo ganha força.” 

O projeto, que altera quatro leis, detalha em 16 artigos regras sobre constituição, objetivos e até a tributação das centrais de negócios. Pelo texto, elas serão criadas como pessoa jurídica com estatuto próprio que conterá, no mínimo, a denominação acompanhada da expressão “Central de Negócios”, a sede, o objetivo e os requisitos para a admissão, demissão e exclusão das pessoas jurídicas integrantes, entre outras informações. 

As centrais de negócios terão finalidades distintas, como realizar operações de industrialização, de vendas e atividades de promoção dos bens e serviços. O capital será dividido em cotas e cada integrante terá direito a um voto nas assembleias, independentemente de sua participação no capital social. 

A proposta permite que as centrais atuem com ou sem finalidade de lucro (associação ou sociedade empresária, respectivamente) e a tributação será normal, não havendo a opção pelo Simples. O projeto traz ainda regras sobre as assembleias de sócios, responsabilidade por dívidas e determina que os casos omissos poderão ser regidos pelo Código Civil ou pela Lei das S/A. 

O projeto será analisado pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Em seguida, irá para o Plenário da Câmara.(Com Agência Câmara) 

Previous ANPD publica norma com etapas do processo de regulamentação
Next Unifique inicia reserva de ações e prevê para dia 27 estreia na B3

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *