Desligamento temporário de serviço pode prejudicar o ISP, alerta Associação Neo sobre RGC


A Associação Neo, que representa uma parcela dos provedores regionais de internet,  elogiou as modernizações propostas no novo Regulamento Geral de Direitos do Consumidor (RGC) da Anatel, entre elas a institucionalização do atendimento digital. Mas fez ressalvas a algumas cláusulas da proposta, cuja consulta pública terminou na sexta-feira passada. No entender da entidade, a agência estaria estabelecendo para os pequenos alguns condicionamentos que atualmente só são exigidos para as quatro grandes operadoras.

Uma das novas exigências previstas no RGC é a que estende para os clientes de todos os prestadores de serviços, e não apenas os que são clientes das grandes empresas, a possibilidade de solicitar o desligamento temporário dos serviços, conforme está descrito no art. 76 da proposta de regulamento. Para a associação, essa exigência poderá afetar a precificação e a previsibilidade da rentabilização do serviço pelas pequenas operadoras. Isso porque, argumenta, os ISPs realizam ofertas extremamente competitivas, o que “implica a adoção de mecanismos para rentabilizar o assegurar o payback do serviço”.  Alternativamente, a Associação Neo sugere que, se a agência quiser manter essa medida, que o desligamento temporário seja autorizado apenas depois de dois anos da contratação do serviço por parte dos clientes dos provedores regionais.

PUBLICIDADE  

Obrigação de grandes

Outra proposta que preocupa a entidade é a que estabelece que a Anatel poderá, discricionariamente, estabelecer obrigações atribuídas a prestadoras de grande porte para os ISPs, cuja lista será formulada pela própria agência. Para a Neo, essa proposta gera “insegurança jurídica, pois pode subverter o enquadramento universal de Prestadora de Pequeno Porte (PPPs) previsto no Plano Geral de Metas de Competição (PGMC)”.

Também a entidade pede que as pequenas operadoras sejam excluídas da regra que prevê a possibilidade de rescisão antecipada do contrato por parte do consumidor em caso de realização de 10 medições da banda larga fixa. A Associação Neo assinala que as operadoras menores não são obrigadas a participar da medição de qualidade da banda larga.

 

 

Previous Enel já removeu 2,8 toneladas de fiação nos postes em 10 dias em São Paulo
Next Anatel mantém entendimento sobre leilão de sobras e rejeita recursos dos ISPs

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *